Parentes queridos parentes

O que são parentes? Como surgem? São importantes? O que nos acrescentam? É sobre essas questões que me proponho a pensar e falar mais do que qualquer coisa. Não que outras coisas não sejam importantes.

14 de out de 2010

São tantas emoções... Parte 1

Fazia muito tempo que não sentia emoção tão forte. Entrar na fazenda depois de tantos anos foi um momento único para mim. É como se estivesse exorcizando tudo de ruim e encontrando novamente a paz, a minha Pasárgada. Não sei se é possível falar em saudade positiva, mas era isso que sentia quando pensava naquele local.
Fazia muito tempo que não mexia tanto o pescoço. Para ver tudo e sentir tudo era necessário torcer para lá e para cá. Percebi isso ao passar por uma porta, uma parede, um quarto em busca das lembranças grudadas na paredes da casa e na minha memória. Sou profundamente grata ao tio Wolney pelo trabalho magnifico que fez por lá.
Ao pisar na fazenda comecei a chorar de emoção e uma porção caótica de lembranças apareceram em minha cabeça: O Eugênio fingindo que iria pular no poço e efetivamente pulando; o André e a martelada na cabeça da Wanilda; a Katya caindo e quebrando o braço, o Waltinho caindo do muro no terreirão e sendo salvo pelo tio Wolney que o pegou no ar; os tios Wilton e Wolfigango demonstrando como dominar um cavalo; o casamento da tia Wilka; as noites deitadas no café recolhido e coberto com lona; as “cantorias” fosse do Martins, do tio Wilton, da Leninha; as sentadas no banquinho do fogão a lenha; os banhos na piscina ou nos poços; as histórias de tio Antonio sobre indios quando íamos colher couve; a Vó Hilda e sua máquina de costura; o vovô com suas broncas nos “sem juízo” que apareciam na fazenda acreditando firmemente serem fazendeiros dos “quatro costados”; e até o famoso quadro no quarto do tio Libaldo (Willibaldo) que de um lado era cheio de santinhos e do outro de mulheres peladas. Poucos lembram disso porém eu me lembro nitidamente pois achava muito interessante como mudavam de quadro toda hora naquela casa.
Se eu colocasse aqui a quantidade de coisas que me ocorreram ali não caberia.
Tinha certeza absoluta de que nada mais importante viveria na fazenda. Curioso. Ledo engano. Em três dias e meio acrescentei um estoque tão grande de lembranças que finalmente percebi que ali é fonte inesgotável de vida e de viver.
Olha só se o que disse no post de ontem não é verdade: Para vocês meu sobrinho Arthur, the phanton


4 comentários:

  1. Está "tar e quar"...rsss
    Ótimo!
    beijos

    ResponderExcluir
  2. Obrigada Wânia por saber expressar tão bem os sentimentos de todos os que estiveram lá naquela dia.

    ResponderExcluir
  3. Detesto essa frase, mas tenho que escrevê-la aqui:

    VIU, NÃO TE DISSE?

    Todos vocês compartilham as emoções, as saudades, os sentimentos bons e ruins comigo. Tenho certeza que TODOS os MEUS PRIMOS adoram esses Encontros.
    O meu sonho de Encontrar TODOS os meus primos hoje é realidade para cada um de vocês.

    ResponderExcluir
  4. Eu sei querida. Valeu a pena mesmo. "Sempre vale a pena se a alma não é pequena" Fernado Pessoa

    ResponderExcluir