Parentes queridos parentes

O que são parentes? Como surgem? São importantes? O que nos acrescentam? É sobre essas questões que me proponho a pensar e falar mais do que qualquer coisa. Não que outras coisas não sejam importantes.

16 de fev de 2010

Espaço para comentários

Teça comentarios sobre a nova enquete e o video aí ao lado. É bom para passar a ressaca de quem foi ou não ao baile de Carnaval

5 comentários:

  1. Lindo!
    Reflete bem o que vai na alma de quem já caminhou um bom pedaço da estrada.
    Costumo dizer que a nossa vida pode ser representada pelos brinquedos de um parque de diversões. Na juventude, vale tudo!. O friozinho na barriga ao pensar na Montanha Russa, empanturrar-se de Algodão Doce, correr de um lado para o outro sob o reflexo das luzes para não perder tempo nem o lugar na fila. As escolhas são feitas e a adrenalina comanda as açoes. É muito bom. Na idade em que me encontro, ainda busco a balbúrdia dos sons e luzes, mas o movimento é mais cuidadoso. penso mais no perigo de não conseguir controlar o estômago no sobe e desce e giros velozes dos brinquedos. Estou mais para uma volta no Carrossel! É mais seguro, porém ainda cultiva o lúdico, na escolha do cavalinho, no sobe e desce e na música que acompanha a sua cavalgada. Dá, ainda, para curtir uma volta no parque observando os rostos felizes das crianças e de expectativa dos jovens.
    beijos

    ResponderExcluir
  2. Um dia já fui também a que "sabia" das coisas!
    Sabidona e prepotente! Aquela que nunca estava errada! Como eu era burra!!!!
    Ainda sou, pois hoje eu sei que nada sei.

    Ô "capaida" hoje eu vi o vídeo!

    Quanto a enquente, não tem a opção que eu gostaria, então optei pela a que mais me incomodou e me incomoda : a bebedeira.

    ResponderExcluir
  3. Temos a vida toda pra aprender. Qdo somos jovens demais temos pressa. Qdo estamos na juventude mais madura (que é o nosso caso), já não temos mais pressa, mas somos mais intolerantes. Perdemos a paciência com aquilo que nos incomoda ou não nos acrescenta nada, que é o caso do carnaval pra mim. O que eu mais gosto no carnaval e ficar em casa e curtir meu cantinho. E saber que agora começa o ano realmente.
    Bom ano pra todos.
    Bjs

    ResponderExcluir
  4. O meu blog parece ser bem elitista, pois só algumas pessoas participam. Será que é isso?
    Mas queridas e queridos participantes, concordo com tudo que disseram, especialmente com a Katya ao dizer hoje eu sei que nada sei. Você deve ter feito o pai da filosofia, Sócrates, feliz da morte, pois era o que afirmava quando vivo. Quando encontrei esse video fiquei tão feliz! Estava com saudade dele pois só consegui ouvi-lo na Eldorado nas "priscas era do pré cambriano" de 1973 quando entrei na facu. Olhando a Sophia hoje percebo que ela sabe tudo, indistintamente e se sente toda prosa por isso. Quando observo os adolescentes penso que eles acreditam que sabem , mas já não é tão assim, entende? Os de 26 a 30 já começam a duvidar se já sabem escolher entre casar ou continuar a vida que levam e por ai vai... Quanto mais tempo vivemos mais incertezas temos. No entanto essas, as incertezas, são muito interessantes, são ricas, nos dão segurança para o momento das escolhas. e mais do que isso nos revelam que nós, só nós, somos os responsáveis pelo que fizemos ou deixamos defazer e as consequencias desse fazer ou não. Todo cuidado é pouco para quem gosta de viver como é nosso caso. Contar as esquinas por onde andamos (como diz Djavam) não referesca nada mas alivia. O ponto central a meu ver está na qualidade do que vivemos e que sem muita reflexão acabamos por deixar de lado. Eu sei que não sei bilhões de coisas e que, com lucidez afirmo talvez não dê tempo para saber tudo que almejo. Mas não tenho dúvida de que enquanto estiver com vida estarei mergulhada tentando saber o melhor de uma situação qualquer. Deve ser a tal da boa adrenalina, não é Laura?
    beijos

    ResponderExcluir
  5. QUERIDA WANIA!
    ESTAMOS NUMA IDADE QUE TEMOS QUE TER CERTEZA DO QUE "NÃO" QUEREMOS PARA NOSSAS VIDAS, PORQUE AS QUE QUEREMOS, ESSAS, NÓS AINDA PODEMOS MUDÁ-LAS.

    ResponderExcluir