Parentes queridos parentes

O que são parentes? Como surgem? São importantes? O que nos acrescentam? É sobre essas questões que me proponho a pensar e falar mais do que qualquer coisa. Não que outras coisas não sejam importantes.

13 de fev de 2010

Se há uma coisa que não sei fazer é...

Tenho estado muito preguiçosa, desmotivada ou coisa que o valha. Não é a toa, ao contrário, há motivos que me levam a tal comportamento. No entanto, continuo meu processo de reflexão constante e persistente quanto aos ensinamentos que tivemos e o que passamos para nossos parentes mais jovens.

O que mais chama minha atenção ultimamente, além do fato de cada vez mais estar me tornando uma das mais velhas do clã, é que que estão faltando pessoas que fazem. O que fazem? de tudo um pouco, oras. O que é pior é que eu ficando mais velha tenho a resposabilidade de ensinar, porém nunca tive a menor preocupação em aprender a ser dona de casa. Que droga!

Nos ultimos tempos tenho ouvido muitas vezes a expressão " Se há algo que não entendo (ou não faço) é isso que me pede". Minha reflexão me levou a relembrar que cresci no meio de pessoas que sempre sabiam o que fazer e, caso não soubessem, se metiam a fazer.

Tudo começou com meu amado Mauricio quando pedi para que visse meu chuveiro novo, pois se recusava  a esquentar. Foi a primeira vez que ouvi: Ah! Benhê, "se há uma coisa que nunca consegui entender é de chuveiro".  Perguntei como isso podia ser já que é engenheiro e ele prontamente respondeu-me: é que sou engenheiro eletronico e não eletrico. Mandei ele para um lugar qualquer e chamei o eletricista.

Passado um tempo ele respondeu-me sobre outro problema doméstico da mesma forma  mudando apenas o final: "Se há uma coisa que não entendo é de porta emperrada. É melhor chamar um serralheiro". Dessa vez, como em várias, quem arrumou foi a Lydiane que passou o dia tirando a porta de ferro da cozinha para descobrir por que havia emperrado. Tinha um troço quebrado, mas ela deu um jeito e vivemos assim até hoje.

Comecei a pensar que temos poucas pessoas com habilidades e vontade de dar um jeito em coisas que emperram dentro do mundo-vasto-mundo caseiro. Como faremos sem nossos tios que davam jeito em tudo? E nossos irmãos e primos que tiveram o privilegio de aprender com eles será que estão transmitindo os ensinamentos? Ou será que estão apenas revelando que o melhor é comprar ou chamar o especialista.

Aqui em casa há dois faz-tudo de primeira linha: a Ly e o André. Mas nem sempre estão aqui.

Ontem vivi uma cena esquisita para caramba: atendi a quatro situações distintas simultaneamente, a saber:
Atendia o telefone e tentava anotar os telefones que meu irmão ditava, vi quando meu cunhado chegou para destrocarmos de carro e rapido pois havia pouco tempo para ele fazer mais algumas coisas, minha mãe me chamava, desesperadamente, pois saia água da caixa d´agua pelo vaso sanitário (ela tentava abrir uma coisa com uma tesoura) e ao deixar o Luis cumprimentando o André, pedi para minha mãe aguentar um pouco pois tinha de tirar o carro com o Luis que já vinha atrás de mim dizendo "Se há uma coisa que não entendo é de hidraulica". (Ele é engenheiro civil, eu acho) enquanto isso minha mãe aumentava o tom do chamado falando OLHA O TELEFONE TOCANDO, não posso sair daqui...

Até agora eu não sei como foi que dei conta de tudo. Quando cheguei ao banheiro e vi a situação que minha mãe vivia deu vontade de chorar; pedi para que me deixasse lá pois com a tesourinha que usava não iria conseguir tirar a válvula na parede. Ainda perguntei: Por que a senhora está mexendo aí? E ela falou brava: por que é ai que regula essa bosta.

Tempo necessário para explicação: Minha mãe dificilmente fala palavrão ou xinga. Quem a conhece sabe que não estou mentindo. 

Vi que a coisa era séria e pedi para todos que entendem de alguma coisa e que aqui não estão mais, me dessem uma forcinha. Eles me atenderam pois de repente vi que precisava de chave de fenda em primeiro lugar. Tirei a birosca e vi lá dentro uma mola e me perguntando qual seria a utilidade daquilo observei uma chapinha na frente da dita cuja; tocando na chapinha lentamente verifiquei que fazia diferença mexer para lá e para cá. Fiquei ali até que vi a água ficando devagarinho, devagarinho até parar. Fiquei me dizendo: Consegui! Que bosta, consegui. Tanta tensão para isso?

Faz falta alguem que não tenha receio de tentar, não é? Preciso que a Ly me ensine a trocar uma borrachinha misteriosa. Outro dia ela falou para mim: Wania, olha essa torneira pingando, poxa! É só trocar a borrachinha.

Pode parecer bobagem , mas eu nunca estive numa situação quando alguem trocava a borrachinha. Daí, envergonhadamente, afirmo: "Se há uma coisa que não sei o que é, como é e como trocar é uma borrachinha maldita.

Alguém que fazer a bondade de revisar esse texto e me apontar os erros? ou será que se há uma coisa....

8 comentários:

  1. Mais um detalhe: Advinha o que não esta esquentando hoje.... Muito bem! É o chuveiro.
    Porém, se há uma coisa que eu tenho são infintos manuais e já peguei o dele. Agora só falta entendê-lo.
    beijos
    Wania

    ResponderExcluir
  2. Wania,
    Seu texto hj me despertou algumas lembranças, pensamentos e exemplos caseiros...
    Vou começar por algumas histórias...Meu pai sempre resolveu todos os problemas de casa, e mesmo sendo magrinho e estando doente, minha mãe saía e deixava a casa aberta tranquilamente...hj ela sai só depois de deixar tudo muito bem trancado...e qdo todos da vizinhança viajam ela nem sai...
    Um dia, qdo ele já havia morrido, minha mãe amanheceu com a serpentina do fogão furada e a cozinha alagada, na hora pensou no meu pai, que não deixava ela acender o fogão nessa situação pois ele não conseguia arrumá-lo quente. E ela pensou: "como ele não está mais aqui mesmo, vou acender e pronto". Sabe que por um tempo o fogão até ficou bom. Descobrimos que meu pai não virou pó, e sim cola de serpentina. Coitado.
    Depois de um tempo, o fogão voltou a dar problema claro, afinal meu pai não podia ficar com o dedo lá o tempo todo, né? Minha mãe encontrou um sujeito que sempre arrumou o fogão pra ele. levou-o em casa e na hora ele falou: Wayne, isso não tem mais conserto não...é muito antigo. E ela: Tem sim ,vai arrumando ai que vou pedir ao Zé Ireu para te ajudar. E ele: O Zé Ireu não morreu? - Morreu, mas vai te ajudar de qquer jeito.
    Ajudou mesmo...na mesma semana ele foi trabalhar na reforma de um hotel e advinha, tinha todas as peças necessárias por lá.
    Minha mãe ainda tem o Rodrigo que resolve essas coisas pra ela, mas no tempo dele e não no dela...então imagina o stress. O Guilherme, filho dele também é muito jeitoso...só precisa ter idade suficiente, então ela ficou bem servida ainda. A Flávia também leva jeito pra coisa.
    Aqui em casa eu tenho o Hélio. Ele me resolve todos os problemas caseiros. Outro dia ele arrumou um abajur e o Gabriel estava em casa e nem se interessou pelo assunto. Comentando com o Hélio, falei exatamente isso. Os meninos e homens de hj não se interessam por arrumar as coisas. Eles acham mais fácil chamar alguem, ou comprar outro. Perguntei ao Gabriel, como ele ia fazer essas coisas qdo tivesse a própria casa e ele na hora me respondeu: Vou chamar meu pai.
    Até hj, qdo temos problemas que parecem inssolúveis e sabemos que se meu pai fosse vivo, teria uma solução, pedimos a ele. As vezes eu falo a minha mãe: o Papai não vai descansar em paz nunca. E ela, na mesma hora: Quem mandou ele morrer.
    Acho que você descobriu o segredo...peça aos jeitosos da familia que já se foram...eles te darão uma mão, ou uma idéia brilhante pode ter certeza.
    beijos

    ResponderExcluir
  3. Waninha,
    Crescemos com pessoas que fazem...ou se não fazem, tentam! Meu pai era o consertador-mor aqui de casa.....muitas vezes minha mãe preferia chamar um especialista, pois quando papai fazia algum conserto ela ficava de ajudante...verdade! Ele ficava assoviando enquanto olhava, mexia e definia qual seria a estratégia para dar fim ao problema. Era..."Waldyra, pega a chave tal na caixa"; "nega, pega o alicate tal" e , minha mãe..."Fernando, porque não leva a caixa para perto de você? tenho que fazer"...( qualquer coisa que estivesse fazendo). Ele dizia que aquela caixa de ferramentas era a sua diferença. Meu pai tinha todas as ferramentas possíveis e imagináveis. Tinha uma Tulha ( igual á da fazenda)num apartamento. Quando vivi fora de São Paulo, eu era a faz-tudo. Aprendi, vendo! Consertava qualquer dano pequeno. Hoje, não sei o porquê, mas foi depois da Menopausa, não consigo subir numa escadinha de 4 degraus para trocar uma lâmpada! meus irmãos também sabem fazer de tudo um pouco, mas suas mulheres têm que ter paciência....eles fazem quando querem! Então, acredito que chamem prestadores de serviços, para não colocar em risco, o casamento.rssss
    Saudade do Tio Libaldo!
    beijos

    Em tempo: Não vi erros...só emoções bem colocadas em palavras.

    ResponderExcluir
  4. Como é bom ser compreendida.
    Obrigada, Senhor e tds vcs que estão do outro lado...
    Minhas queridas, adorei saber dos fatos relatados. Vi meus tios fazendo exatamente o que disseram, incrível.

    ResponderExcluir
  5. Hoje estou com muitas poucas palavras, mas o suficiente para dizer que este texto me deprimiu por muitos motivos. O mais forte deles foi saber que minha madrinha soltou um palavrão, portanto a situação estava muito preta. Coitada.
    E dentre os muitos outros, foi saber que eu, apesar de já saber disto há muito tempo, nunca tive muito quem fizesse nada para mim. Eu já havia constatado isto faz muito tempo, mas lembrar disto agora me deixou mais triste do já estou.
    Meu chuveiro está com a resistência queimada faz uns meses, quando quero banho quente vou tomar banho no banheiro da Isa... Ando até sem ânimo para trocar uma resistência.
    Ah.. sim, eu sei trocar e sou metida a tentar fazer tudo que não sei, às vezes eu acerto, outras, quase a maioria, mando a coisa pela janela abaixo e compro outra. Atualmente estou ficando sem, pois não estou tendo $$ para comprar novos. Mas caminhemos... o percurso está na frente, os passos já estão sendo dados.
    E eu que não estou com muitas palavras, heim??? Imagina se tivesse!!!!
    Depois eu volto.
    Beijos meninas e bom carnaval a todos.

    ResponderExcluir
  6. QUERIDA WANIA!
    JÁ FAZ UM TEMPINHO QUE NÃO FREQUENTO SEU BLOG POR MOTIVOS INTERNÉTICOS.
    MAS DANDO UM PITACO NO ASSUNTO, SE TUDO QUE VC TENTAR NÃO DER CERTO, HOJE EM DIA TEM UMA NOVA PROFISSÃO CHAMADA "MARIDO DE ALUGUÉL", ELE VAI ATÉ A SUA CASA E FAZ TUDO O QUE VC PRECISA.
    NÃO É UMA BOA?
    BJM

    ResponderExcluir
  7. Oi Re,
    Na verdade, mais do que chamar o "marido de aluguel" pensei em ser sua concorrente com um " Esposa de Aluguel"; talvez não pegue muito bem, mas é uma tentativa valida, honesta de ganhar dinheiro. No entanto, hoje, percebi que ainda não estou pronta. Vide foto anexa. Que nada. Não posso colocar aqui imagens né?
    Beijos para meu companheiro de aguas

    ResponderExcluir
  8. Não dei para ir anexa. Vou colocar ao lado.

    ResponderExcluir