Parentes queridos parentes

O que são parentes? Como surgem? São importantes? O que nos acrescentam? É sobre essas questões que me proponho a pensar e falar mais do que qualquer coisa. Não que outras coisas não sejam importantes.

18 de set de 2009

Prefácio e o Terno

Mamãe está aqui ao meu lado ouvindo e estou lendo os post e comentários para ela.
Aí me perguntou se eu já contei o caso do tio Libaldo quando entrou num local abarrotado de árvores. Ela esqueceu o nome do local por enquanto.
Disse que um senhor da época contou para ela que o tio Libaldo era único que sabia fazer curva quadrada. Para tirar o tal jeep foi necessário derrubar arvores.
Perguntei quem era esse senhor e ela contou que era Sr. Oavinho casado com quem ela está tentando lembrar o nome, e pai da Aparecida Noronha e Esmeralda.
Um dia vinha vindo uma colega de minha mãe, vinha vindo pela calçada quando ele murmurou para ela: "Lá vem a Prefácio." Curiosa perguntou: "Por que prefácio, Seu Otavinho?". Prontamente respondeu: "Ora, já viu coisa mais chata que prefácio?"
É fantástico.
Adorei.
Beijos
Observação: Segundo minha mãe esse Sr. Otavinho era muito amigo do Totinho, irmão da tia Nanoca. Quando ela foi entregar o convite de casamento para eles, os dois estavam conversando. Perguntou para Totinho se não se importava de receber ali mess o convite dele também. Na mesma hora ele falou: "AH! que ótimo, que ótimo! Quem sabe agora sai o terno que ganhei para o casamento da Hirda (nossa avó Hilda).
Parece que o negócio era assim: Comprova rifa ou era sortedo e ganhava a confecção do terno; o Totinho foi premiado, tirou as medidas para o casamento da vovó e até aquele dia não tinha recebido o tal terno.
Tá bom ou quer mais?

4 comentários:

  1. Só em Paraiso!

    São "Dito Nania", "Zequinha do Arlindo"..."Quinquim"..."Quinzé"..."Totinho"..."Chico Potrinho"...é por isso que fica difícil lembrar nomes,né tia?
    Entendo perfeitamente....eu também tenho dificuldades.
    beijos

    ResponderExcluir
  2. Tia Waldette as lembranças são ótimas e parecem combustível na memória.

    Lembranças contadas pelo meu pai e pelo próprio Totinho

    Totinho irmão da tia Nanoca era rábula, e prestava serviços de advocacia na região, quem assinava era o Dr. Roberto Silva que deixava as folhas assinadas em branco para que o serviço fosse datilografado e levado ao fórum.

    Duas passagens com o Totinho

    Certa vez pegou um taxi e foi em um vilarejo colher uma assinatura de um cliente a uns 20 km acima de Gonçalves em um sitio.
    Devia ter umas 30 porteiras para abrir, o carro passava, ele fechava a porteira subia no carro, e logo a frente outra e mais outra e mais outra.
    Quando chegou à volta a mesma coisa, quando ele passou pela ultima porteira, abriu, fechou, entrou no taxi e disse:
    "Lugar assim nunca se viu, vai ter porteira assim la na puta que pariu".

    Ele tinha um irmão que bebia muito e se metia em muitas confusões. Um dia o irmão chegou em casa e o pai disse: Meu filho eu já não agüento mais, não sei mais o que faço ou falo você não emenda, continua bebendo desse jeito.
    O irmão do Totinho abaixou a cabeça e disse, com aquela cara de cachorro sem dono:
    Sei que só trouxe desgosto a família, só me resta suicidar.
    O pai não teve duvidas, foi buscar o revolver entregou na mão dele, que pegou baixou a cabeça e entrou no quarto.
    O pai ficou esperando o barulho e nada, 15 minutos e nada, meia hora, abriu a porta do quarto, ele tinha pulado a janela. Mais tarde ficou sabendo que ele vendeu o revolver e foi beber com os amigos.

    ResponderExcluir
  3. Só mais essa

    Quando ficávamos sentados de madrugada nos bancos do quadrado, hoje calçadão da rua do meio, ou Rua São José fazíamos uma brincadeira com o nome das pessoas que era mais ou menos assim.

    Eu gosto de Nescau e o Antonio Jose Lopes Ribeiro Junior, Totinho.
    Eu gosto de carne e o Zé Peixinho (pai do Edgar de Gonçalves, motorista de caminhão, época do Paturi)
    Eu gosto de ganso, Da Wanda (mãe dele) Paturi
    Eu sou da Wilka o Miltinho do Lila (fazendeiro e mecânico de moto)
    Eu gosto de laranja e o Zé Lima (dispensa apresentações)
    Eu gosto de bar e o Zé da quitanta
    Eu escuto e o Mané surdo (amigo do Toninho Fernando)
    Eu gosto de cirola e a Da. Elaine, Minhocão (marido dela)
    Eu sou filho e o Zé Neto (furgo Zé Bosta)
    Eu sou filho e o Zé Cunhado ( da tia Waleska)
    Eu gosto de frango e o Paulinho Galinha
    Eu gosto de iogurte e o Sergio Gualhada
    Eu gosto de Anta e o Reginho Castor ( por causa dos dentões)
    Eu gosto de coisa viva e o Galinha Morta
    Eu tenho um cavalo e o Chico Potrinho
    Eu conheço cu de pato e o Paulinho Cu de Anu.

    Esses são alguns poucos nomes e apelidos que ficávamos brincando durante as noites em Paraíso, tem mais, muito mais, mais a memória ta meio vaga lembrança

    beijos

    ResponderExcluir
  4. Isso que apresentou aí, Wander talvez seja a unica maneira de guardar essa "muntueira" de apelido. Achei essa brincadeira sensacional. Parabéns!
    Beijos
    Wania

    ResponderExcluir