Parentes queridos parentes

O que são parentes? Como surgem? São importantes? O que nos acrescentam? É sobre essas questões que me proponho a pensar e falar mais do que qualquer coisa. Não que outras coisas não sejam importantes.

5 de jul de 2009

Tia Waldeneuza

Essa tia, que me fez rir como poucas vezes na vida, nasceu no dia 5 de julho. Tenho muita coisa para dizer sobe essa figura sensacional, que tinha e teve a capacidade de ajudar meu pai a ter um final de vida mais leve com suas brincadeiras e "aiquis" quando provocada pelo meu pai que, sem dúvida alguma, a tinha como amiga verdadeira. Abenção minha tia, parafraseando Vinicius, ainda tenho muito a falar de você e assim farei. Eis um mimo para você que morou tanto, viveu tanto, hospedou tanto etc. e tal.

video

12 comentários:

  1. Tia Waldeneuza!
    Uma cigana, de alma pura e muito divertida!
    Tenho inúmeras passagens com ela. Vou contar uma das mais recentes.
    Trabalhava em turismo e a tia estava voltando pra Bahia. Pediu para que eu desse um jeitinho no excesso de bagagem. Falei com o gerente do aeroporto e consegui. passado todo o problema do embarque O Kazuo ( gerente) chegou perto de mim e disse." Sabe qual foi o excesso de bagagem da sua tia?...Não ela me falou que seria um pouco mais do que o convencional, como a de dois passageiros....é o excesso...só o excesso deu 60 kg...mais o que ela pode carregar...20kg....como uma mulher pode carregar tanta bagagem?"
    Ela adorava levar tudo que podia daqui para os seus amores de lá.
    beijos

    ResponderExcluir
  2. Hoje tinha que ser assim... Laura fazendo as honras da casa!
    Araaaaa!!! Wania, eu disse que hoje eu não estava para conversa, não falei!!!??? :´(
    Mas já que estou aqui, sem palavras, faço de Chico as minhas:

    Tem dias que a gente se sente
    Como quem partiu ou morreu
    A gente estancou de repente
    Ou foi o mundo então que cresceu

    A gente toma a iniciativa
    Viola na rua a cantar
    Mas eis que chega a roda viva
    E carrega a viola prá lá...

    ResponderExcluir
  3. Sinto muito Katya. Eu sei como se sente, mas resolvi homenagea-la assim como os outros. São datas muito preciosas para mim e só me toquei agora.

    ResponderExcluir
  4. As lembranças da tia nos faz rir até hoje, adorava as conversas delas os virados de "zóio" as frases cantadas e as poses para fotos, era muito legal, minhas passagens na casa dela sempre foram divertidas e porque não dizer muito instrutivo, ela achava importante eu ou qualqur outro sobrinho ou parente, copiar as habilidades dos mais velhos, ou como Klauss que por sua vez tinha que ser igual ao Tio Libaldo e por isso tudo que estava quebrado ou precisando de uma manutenção ela nos colocava para fazer, vocês podem imaginar nas passagens que tive com ela, como aprendi pintar a grade do portão, consertar o ferro de passar roupas, trocar o fio da torradeira, tomadas da parede ou outras coisinhas e assim a gente passava tardes e dias se distraindo e rindo muito pois sempre tinha uma historinha para acompanhar o trabalho enquanto ela ficava fiscalizando... Era muito legal e jamais esquecerei da Tia, a benção minha Tia.

    beijos.

    ResponderExcluir
  5. Tia Waldeneuza, acho que era a tia mais agitada de todas. Impossível imagina-la olhando pro teto sem fazer nada...só se fosse pra ver se estava limpo.
    Sempre as voltas com as vendas, os trabalhos manuais...saudades

    ResponderExcluir
  6. Minha Madrinha.
    Lembro-me bem dos olhos espertos, do soriso farto, do falar alto, das palavras dispardas feito metalhadora de tão rápido e dos apertões em minhas bochechas (que cá pra nós, eram de matar rsss). Enfim, lembro-me da minha madrinha,que não esquecia um único aniversário meu, ao contrário do ingrato aqui. Dela e de meu padrinho tenho lembranças dos momentos em que coseguíamos nos encontrar, porém sempre replétos de gargtalhadas. Mas o que me marcou foi o carinho que sempre dedicaram a mim. Isso a gente não guarda na memória, guarda na alma!!

    A benção Dinda

    ResponderExcluir
  7. Por umas 3 vezes peguei carona nas malas da tia Waldeneuza. Ela vinha da Bahia, passava por Pariss e ia para Itajaí e eu ia junto. Teve uma vez que tio Antonio tinha na época um dodge "hat". O porta malas abarrotado dos excessos da tia, mais a minha mala, a da tia Waldete, Elydia e Marcos. SEIS pessoas, num carrico, numa viagem de hoooras. Que satisfação. Que boa sensação de liberdade, apesar do "apertamento" do veículo. A PACHORRA da tia Waldeneuza era instigante! E as viagens e os passeios com tio Antonio eram aulas de boa vivência e percepção.

    ResponderExcluir
  8. Kleber Almeida Costa Pinto8 de julho de 2009 09:37

    Oi Waninha e demais parentes:
    Hoje 08/07/09, a Dalva praticamente me intimou a ler o Blog da Waninha / Katya. Falou-me da passagem que tivemos na Praia de Nudismo do Pinho, aqui em Balneário Camboriú. Ainda não encontrei, vou ver se acho. Eu sou avesso a internet, não gosto de mexer nestas modernidades.
    Falar de minha Mãe é muito fácil, difícil se torna achar as palavras e colocá-las na ordem que devem ser escritas.
    Não podemos falar da "Dona Walda", sem também falar do "Seu Costa Pinto". Foram eles que me geraram, como também a todos os meus irmãos: meu saudoso irmão Klauss, Klecius, Katya e Kênya. E por que não falar também da Elidia, nossa irmã mais "velha", com muito carinho.
    A nossa Família é constituída de vários elos. Os mesmos com o passar do tempo vai se enfraquecendo, e os apesar de fortes elos, vão se rompendo e acabam por separar dos demais.
    Assim aconteceu em 1994 com nosso Pai Antonio Costa Pinto, o elo que o prendia a nós se rompeu e ele foi estar com nosso Jesus Cristo. Saudades, muitas saudades.
    No ano de 2005, mais precisamente em 25/05/05 perdemos a nossa querida Mãe, Tia, Avó, enfim Amiga de todas as horas. Mais um Elo se rompe, mais um Ente Querido que se vai. Foi estar junto do "Seu Costa Pinto".
    Em janeiro de 2008, o nosso irmão Klauss disse-nos adeus e partiu para junto do pai e de nossa mãe. Uma partida muito prematura, ninguém esperava. Pude estar com Ele na UTI por uns três dias. Mas o seu Elo não suportou a pressão dos anos vividos, e ele também se foi.
    Minha gente, em resumo quero dizer a todos vocês. Mesmo sabendo que os Elos de vocês, é bastante forte para aguentar muitos outros anos, vivam intenssamente o dia de hoje junto aos seus. Nós não temos uma bola de cristal para sabermos o dia correto em que o nosso Elo se romperá.
    Obs.: Continuarei na escuta de todos vocês.
    Beijos e Abraços para todos.
    Kleber

    ResponderExcluir
  9. KLEBER! MEU PAI SEMPRE DIZIA; "ESTAMOS EM UMA FILA E NÃO SABEMOS O NOSSO LUGAR NELA. NÃO PODEMOS TROCAR DE LUGAR DEIXANDO ALGUEM PASSAR NA FRENTE OU QUERENDO PASSAR NA FRENTE DOS OUTROS", ENTÃO FAÇO MINHA SUAS PALAVRAS.

    ResponderExcluir
  10. COM RELAÇÃO A DONA WALDA, QUANTA SAUDADES. QUANDO ELA ESTEVE EM SP EM 2001, EU AINDA MORAVA POR LÁ, E PUDE APROVEITAR DA SUA COMPANHIA, POR ALGUNS DIAS, FOMOS JUNTAS À CASA DA MARILDA, FICAVAMOS CONVERSANDO NA CASA DA TIA WALDETE, FOI MUITO GOSTOSO. STEPHAN CHEGAVA EM CASA DE TARDE E PERGUNTAVA " NÃO VAMOS VER A TIA WALDEUNEUZA?

    ResponderExcluir
  11. VÓ Walda!! Qta saudade!!! Ela vinha pra cá (Itajaí) cheia de bagagens, e voltava mais carregada ainda... Nossa!!! Nuuuuuca, nunquinha, desperdiçava UMA comida... tudo que sobrava tinha proveito... Um finzinho de panela de feijão virava uma deliciosa sopa que só ela sabia fazer... tudo ela guardava... tudo ela aproveitava, tudo ela curtia... amava vender... hoje eu e a Gabi vendemos Natura, Avon, Tupperware... puxamos o jeitinho dela!!! Pé de valsa maravilhoso, parceira das viagens, excelente professora de trico e crochê... deixava o freezer cheio de geladinho pq sabia q eu gostava!!! Suuuuuuurda... mas de vez em qdo ouvia bem as coisas, rsrsrsrsrs. E a virada de "zoio", boa essa André!!!! Vó Walda foi embora sem dar tchau... ela tava programando pra vir pra cá naquele ano, e estávamos esperando ansiosos... sentimos falta da PESSOA maravilhosa q ela era... da eterna criança... Um dia todos nós vamos nos encontrar!!!!

    ResponderExcluir
  12. Kleber Querido,
    Muito verdade, muito bonito, muito triste o que você escreve aqui.
    Lembro-me de todos com tanto carinho.
    Kleber, tenho saudades de nós todos, de nós rindo, de nós nem sabendo de tudo isto que é a vida.
    Quantas vezes penso, quantas vezes me vem a lembrança de tudo o que vivemos, quantas vezes volta aquele tempo que este tempo não nos traz mais.
    Fecho os olhos e posso ver as nossas carinhas, as carinhas de todos nós, não importa a idade que tínhamos.
    E vem aquela sensação que sufoca dizendo "quantas saudades de nós"...
    Beijão a todos!

    ResponderExcluir