Parentes queridos parentes

O que são parentes? Como surgem? São importantes? O que nos acrescentam? É sobre essas questões que me proponho a pensar e falar mais do que qualquer coisa. Não que outras coisas não sejam importantes.

13 de out de 2011

Aline casou!

Minha sobrinha mais velha, Aline, casou-se.

Toda vez que vou a um casamento no meu clã fico a pensar que é assim que caminha a humanidade, é inevitável. Apesar de todos os blá blá blás que dizem em relação as uniões com papel ou sem papel os casamentos continuam em voga; o que não me deixa mentir é o verdadeiro parque industrial que há por trás desse ritual em relação a Igrejas, buffets, roupas, cabelos, sapatos e por aí vai... Um casamento mexe com a infraestrutura de toda uma cidade, é brincadeira?

Mas deixando esse assunto árido de lado, pensemos nos noivos e na sua vontade e desejo de se unir. Creio que é daí que começam os problemas e soluções. Vamos casar? Vamos! Com papel ou sem? No papel! Na Igreja ou só no cartório? No cartório! Ah! Lá no tabelião? Não, num lugar onde possamos festejar... Ah! Onde?

INTERVALO PARA REFLEXÂOOOOOOOOOOOOOOOO

Você quer que sua família participe ou seja informada? Quero que participe e você? Eu também? Mas sua família é covardia, afinal sua mãe tem 40 tantos primos, pô! É verdade, mas e se convidássemos só nossos pais e irmãos? Amigos não? Sim, amigos sim. E minha avó também. Ah! Então também quero minha avó e meu avô. Nesse caso serão mais dois e não mais um, afinal meu avô morreu. É verdade. Bom mas para compensar posso convidar os irmãos de minha mãe e seus partners pois são meus tios. Sim, é verdade, mas eu não tenho tanto tios e o número cresce... É verdade! E as crianças? Convidaremos crianças? Claro, como seria uma festa sem várias idades? Faz falta a diversidade, ora! É verdade! Ops, o festejo esta ficando grande, não é bem? (ou bebê que tá na moda) vamos continuar esse dialogo semana que vem....

INTERVALO PARA REFLEXÃOOOOOOOOOOOOOOOOOOO

Sabe o que pensei? Que ao invés de convidarmos a torto e a direito que tal se nos impuséssemos um número? Como? Um número bonitinho, simpático, jeitoso que nos desse a chance de conversar com todos, reconhecer cada um, lembrar os nomes, que tal? Excelente idéia, bebê! por que não pensei nisso antes? Que número? Ora vamos pensar... 500? Nem pensar! 400? Na mesma lista do não! 300? Caríssimo! 200? Ainda acho caro, nos decidimos dar conta de pagar lembra? 100 !?!?!? Otimo!!! 100! Um numero pequeno, não acha, bebê? Acho! Mas 50 não dará para caber avós, mães, pais, tios,
filhos. Então tá! Que seja o 100. Mas muita gente ficará de fora... É verdade! No entanto, ficarão sabendo o que é o mais definitivo e o correto num ritual, certo? Certo!

100, uma centena. Aperta aqui, tira ali, apaga um, põe novamente, tira criança, põe novamente e assim passam dias....

Onde? O que? Onde será a comemoração? Que tal numa balada? Minha avó numa balada? Por que não? É, por que não... Tradicional então será fora de questão, certo? Certo, bebê.
Onde? Ok, sabemos que será em São Paulo, Capital. Então agora é só decidir o local. Dãh!

Ah! As decisões...

Por que não numa casa moderna futurista mais nossa cara?´Perfeito! Onde? Lá onde fomos ou vamos com amigos... Então tá!!!!

Claro que após esse diálogo ficcional mas factível deverá vir uma série de outras decisões tais como: Beberemos:? Comeremos? Tarde da noite? DJs? Ritmos? Luzes? Cameras e ação?

Diante disso tudo há estresse que não acaba mais. Só sei, que normalmente a coisa anda e o casório acontece. E assim foi!

Aline e Paulo casaram. Após 6 anos de convivência e muito trabalho (não de preparação do ritual em si, mas do trabalho  profissional mesmo), casaram exaustos a ponto de passarem a lua de mel num spa no Chile, é brincadeira? Segundo a Aline, não quer sair nem para varanda (se é que tem varanda). Que venha o relax, êta coisinha boa de se usufruir.

O casamento foi muito legal. De uma organização ímpar. Creio que essa coisa pela organização vem da expertise (adoro essa palavra tão utilizada nos meios modernos do capitalismo) de cada um.

Chega-se ao local dois valets elegantes, bem postos (sem suor-desesperado-para-guardar-seu-carro-naquela-vaga) abrem as portas de sua carruagem, ops do seu carro e ajudam as ladies descerem com charme. Á porta a hostess bonita e gentil pergunta seu nome, agradece a presença e diz o número  da mesa onde se sentará... Ponto para os noivos. Lá dentro um lugar exótico, um misto de Blade Runner com minimalismo. Dá para crer? Sim, pode crer.

Lugar charmoso, gente bonita, arrumada, simpática para ver noiva e noivo dizer para o juiz de paz que sim, queriam casar de livre e espontânea vontade. Lindo.

Outra surpresa: Aline após viver os trâmites legais pegou seu maravilhoso buquê e disse em alto e bom som que iria ser dado a sua avó e a lapela de Paulo, lindíssima combinando com o buquê, seria entregue a mãe dele. Ponto para os noivos.

Antes que a noite se encerrasse foram chamadas as solteiras de plantão (graças a Deus eu tinha saido de cena) e foi arremessado um Santo Antonio de pano com a carinha mais marota do mundo para elas.

Quem pegou? Minha sobrinha Júlia. E assim, a vida segue...

Ao final, ao receber nossa carrugem, ops carro de volta lemos com emoção um recadinho simpático dos noivos que seguirá anexo dentro em breve...
Eis o anexo, gente-bebê
N.T. Um dia vou escrever sobre um hábito familiar que amamos e que é pouco pensado, elaborado, combinado: O dia seguinte dos parentes do casório onde se tricota sobre TUDO e as risadas rolam deliciosamente.

11 comentários:

  1. é isso mesmo...casar dá um trabalho...mas é bom, no final tudo se ajeita. Qdo o Raphael da Renata casou foi a mesma novela... A Re falava: mas Rapha, e a familia? mãe é impossivel, sua familia é muito grande...eu não tenho tanto dinheiro assim. E casaram e estão felizes. Isso que importa. Vamos torcer para que toda essa nova geração seja feliz também, casando ou não. É uma opção.
    o meu já dura 25 anos. Voce estava lindona de madrinha, e até hj não sei se voce achou seu sapato de dirigir, ou se jogou-o pela janela?

    ResponderExcluir
  2. hahaha.. legal essa lembrança. e a resposta é: Joguei pela janela. Nada como movimentos automatizados.
    beijocas
    Wania

    ResponderExcluir
  3. Wania,

    Ainda muito emocionada para escrever. Apenas agradecer o apadrilhamento da união da Aline com Paulo.

    bjs

    ResponderExcluir
  4. Organizar casamento dá trabalho??? Eu que o diga....

    Parabéns aos noivos e que o Espirito Santo de Deus guie os seus passos!!!!

    beijos à todos

    ResponderExcluir
  5. Olha eu de novo... Se vocês quiserem acompanhar toda a nossa "organizaçã0", visitem o site http://www.jamyleetiago.com/ (coisas da modernidades.

    beijos, novamente

    ResponderExcluir
  6. Valeu, Kenya!
    sabia, que eu não sabia que o Rafael também havia casada? Creio que teremos de fazer um cadastro de atualização, não é?
    beijim

    ResponderExcluir
  7. Os meus estão todos solteiros!!! Eu aviso qdo forem casar...saudades de vcs. Ainda bem que temos encontro em breve. bjs

    ResponderExcluir
  8. Ë uma f7unçao mas no final sempre fica perfeito, que eles tenham um lindo amor pela frente, beijo Lisette.

    ResponderExcluir
  9. Consegui!!!
    Estava difícil comentar por aqui.
    Estou feliz em ver que o casamento, para os nossos, da geração mais nova, não é mais um motivo para reunião familiar. Temos casamentos em todas as gerações que são duradouros e mostram que o amor é o mais importante. Com festa (para poucos ou muitos) ou sem festa. Somente a certeza de que são dois que viverão como dois, vivendo como um só. É o que desejo, de coração, a todos os noivos dessa imensa família.
    beijos

    ResponderExcluir
  10. Há algo estranho em relação a se fazer comentarios nos blogs ultimamente. No Blog da Wanilda eu chego a cansar de tanto tentar.
    Quem arrumou aqui foi a Katya.
    beijos

    ResponderExcluir
  11. Dinda chiquérrima e linda!!! Estava um baaaafo no casório!!!! Bjs, Aline

    ResponderExcluir