Parentes queridos parentes

O que são parentes? Como surgem? São importantes? O que nos acrescentam? É sobre essas questões que me proponho a pensar e falar mais do que qualquer coisa. Não que outras coisas não sejam importantes.

18 de mai de 2010

Quem me dera

 Quem me dera ter ficado ausente por motivo de viagem.
Lagoinha Do Leste - Santa CatarinaQuem me dera ter caminhado por uma praia tranquila sem nem ter de correr para fugir de ondas atrevidas e muito menos preocupada com a bola que surge a nossa frente como se fosse um ovni ensandecido; como seria bom não ouvir sons humanos, não ter de partilhar o silêncio, e muito menos me preocupar com possíveis errantes atrás, na frente, em cima ou embaixo de mim.

Desfrutar da segurança de um caminhar tranquilo sem pensar em calorias, hipertensão, tonus muscular, dores e afins. Como teria sido bom não pensar  em nada; fosse para carregar minha identidade, dinheirim qualquer, cartãozim-malditim ou o intruso-celular. Não ter de dar satisfação e sim só senti-la.

Quem me dera ter ficado ausente por um motivo simples como passear e investigar os becos e vielas de Cobblestone Alley ou ouvir alguem contar sua historia num banco de praça de um lugar qualquer.

Ao invés disso corri. Corri contra uma cobrança absurda e injusta, corri atrás de advogado, corri para fazer a renovação da carteira nacional de habilitação, corri para cumprir meu papel de pesquisada (cobaia) sobre a saude do trabalhador, corri para desfazer-me de meu carro, corri aos bancos para pedir copias de recibos, corri para o forum...corri até ter cãimbras nos pés que me impediram de dormir durante a noite. Corri, corri, corri

Ah! Como detesto correr.

4 comentários:

  1. O pior minha querida e amada prima... correremos até o final dos tempos. Os nossos pelos menos!
    Gente, eu não posso crer que vocês desenterraram o "Martins"!!!!!!!!
    Gente de Deus, que memoria de elefante tem pessoinhas desta familia!!
    Me aguardem, volto.. não sei quando, mas volto!

    ResponderExcluir
  2. Partilho das suas vontades....também me encontro às voltas com questões que em alguns momentos estão acima das minhas capacidades para análise e resolução. O que faço? Num primeiro momento entrego tudo nas mãos de Deus (Ele pode mais do que eu). Aí vou separando angustias por angustias, afazeres por afazeres e, respirando fundo, tomo decisões. Isso dá pra resolver agora, isso pode esperar um pouco, aquilo tem que esperar e isso não me compete. lembro da minha mãe que dizia ..." dê tempo ao tempo..." Poxa! E quando tudo parece que tem que ser agora? Ela respondia...." o agora é feito de uma fração do tempo, faça o que der para fazer e deixe o resto para o seu devido tempo. O tempo encontra suas obrigações e tudo encontra o seu tempo! Não sofra, pois deixará de desfrutar o prazer de ter resolvido algo". minha mãe era sábia! É bem verdade que os meus problemas naquela época não são nem de longe os que enfrento hoje, mas ainda ouço sua voz e vou resolvendo os que posso e anotando aqueles que não posso e colocando-os numa caixa enfeitada que tenho. Passado um tempo, abro a caixa, leio as anotações e procuro resolver alguns que já me sinto capaz de solucionar e vejo que outros nem existem mais...o tempo encarregou-se de resolvê-los.
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Ainda não enviei a crônica da mamãe pois todas estão guardadas em uma caixa no maleiro do guarda-roupa e estou impossibilitada de subir em escadas. O nervo ciático ( lado esquerdo)resolveu dar o ar da graça e trouxe como companheira uma antiga conhecida...a dor no joelho ( lado direito)....estou, da cintura pra baixo, como a Rose dos Jetsons...só faltam os bip...bip...bip. O hélio deve vir aqui no final de semana e peço para pegar a caixa para mim. Mas espero estar melhor até lá. Envelhecer tem vantagens, mas pqp quantas desvantagens!!!!!!!
    beijos

    ResponderExcluir
  4. Laura, vc acertou na medula em seu primeiro comentário.
    e, no segundo, compreendo perfeitamente a que se refere. Estou aguardando.
    beijos
    Wania

    ResponderExcluir