Parentes queridos parentes

O que são parentes? Como surgem? São importantes? O que nos acrescentam? É sobre essas questões que me proponho a pensar e falar mais do que qualquer coisa. Não que outras coisas não sejam importantes.

3 de jul de 2009

24 de fevereiro

Sem fazer nada enquanto aguardava “meu trabalho” chegar e tendo em minha cabeça o fato de não ter escrito duas coisas de fundamental importância antes de continuar o blog dos parentes, fiquei a deriva um bom tempo até que resolvi fazer um levantamento: saber o que tinha acontecido no dia 24 de fevereiro. Minha pesquisa, graças a um site que contém datas e mais datas foi até 24 de fevereiro de 1463, quando nasceu Giovanni Pico della Mirandola. Pensei com meus botões: opa! Nada como um filósofo para começar.

Afora cientistas-médicos, cinco religiosos de destaque e dois economistas; descobri que uma quantidade enorme de artistas havia nascido nessa data: pintores, escritores, atores, atrizes, cineastas e toda gama de músicos, de compositores a cantores de barítonos a sopranos. Também nasceram cinco atletas – nenhum do futebol – um sujeito importante do mundo da informática, Steven Paul Jobs (Apple) e três coisas importantíssimas: a) Promulgação da Constituição brasileira em 24/02/1891; b) Getúlio Vargas publica o novo código eleitoral - voto secreto e o direito de voto para mulheres - em 24/02/1932; e c) em 24/02/1933 o Eclipse Solar. Mas, o mais importante para mim e minha família aconteceu 42 anos após aquele eclipse, mais exatamente em 24 de fevereiro de 1975, segunda-feira. A lua estava quase completamente redonda como uma bola (só ficaria totalmente cheia na quarta-feira). Em Itajubá, sul de Minas, nasceu a Lydiane, a nossa Ly. Penso que meus pais e irmãos concordariam comigo se afirmasse que foi um dos acontecimentos mais marcante para nós. É interessante como alguns fatos transformam nossas vidas para sempre num simples olhar. Com 15 dias de nascida travamos contato e isso permanece até hoje. Foi um dos bebês mais lindos que tivemos a oportunidade de conhecer. Sorriso lindo (até hoje), cativante, quietinha, uma bonequinha. Essa bonequinha nos ensinou tanto, nos enriqueceu tanto que não há maneira de mensurar isso. Muito inteligente e curiosa tudo queria saber mesmo quando não nos perguntava, pensava, pensava e após algum tempo revelava a conclusão com uma segurança lapidar. Uma vez, saindo da fazenda de volta para casa, na primeira curva nos falou com muita seriedade (só faltou o: Eureca!): “Já sei por que aqui na fazenda o leite sai da vaca.” Parei o carro de imediato, viramos (mamãe e eu) e perguntei o porquê. Ela muito feliz, disse: “Por que aqui não tem supermercado!” Voltei a dirigir pensando onde havíamos falhado na educação da criança. Numa outra ocasião, ainda com uns quatro, cinco anos, atendeu ao telefone e escreveu algo. Depois, saltitante, veio dizer que o moço ligou e era para ligar para aquele numero. Desculpem-me, mas essa eu devo demonstrar: No papel estava escrito olhamos e perguntamos que numero é esse Ly? E ela respondeu? “meia” e saiu saltitante. Aliás, não me lembro dela andando e sim saltitando, correndo ou fazendo estrelas enquanto conversava e a gente algumas vezes indo ao banheiro de tanto enjoo. Acho que o que mais ouviu na primeira infância foi “Sossega Ly”. Várias vezes ela nos deixou com cara de interrogação e sem fala. Daí reconhecermos que não era falha na educação e sim característica dela mesma, uma das tantas que têm. Quando íamos para a fazenda o tio Libaldo sempre dizia: ”... chegou a menininha fuçadeira”. E fuçava mesmo, não adiantava falar que isso era feio, que não se deve fazer, pois continuava fuçando. A algo a seu favor, nunca fugia da situação quando era encontrada fuçando, apenas olhava intrigada com os tesouros encontrados. Até hoje age assim e talvez seja desses tesouros encontrados que tenha nascido um de seus talentos: É capaz de ver tudo o que quer para uma festa, por exemplo, sem falar com ninguém sobre o assunto. Ela enxerga criativamente do banheiro ao cantinho X, com riqueza de detalhes e isso é tão forte nela que às vezes imagino que ela acredita piamente estarmos participando de sua cabeça, pois repentinamente é capaz de nos dizer: “Não! Não é assim, poxa! Como você não entendeu ainda.” Fica brava com todos nós fazendo-nos crer que somos muito lerdos. É óbvio que isso já foi e continuará a ser motivo de muitos conflitos, mas fazer o que? Nós a amamos muito desse jeitinho mesmo. Nos últimos anos tenho notado que quando falamos algo e ela não responde é sinal que está em algum lugar criando alguma coisa e que não adianta perder latim, grego ou sânscrito. Uma pena ela manter tudo na cabeça bem guardado. A Ly falava muito e cantava. Como cantava. Em inglês, espanhol, italiano, francês com certa resistência e até arranhava um árabe. Gosta muito de musica e graças a Deus, tornou-se eclética em seu gosto pessoal. Duro foi a fase do “I Will Always Love You”, da Whitney Houston, meu Deus do céu como demorou para passar aquela fase da: And I... will always love you...., algo que soava mais ou menos assim andaaiiaaaaaaaaawillaaaaaallwayslooooooveyyyouuuuuuuuuuuuuuu. Nós nos perguntávamos quando um outro filme iria surgir e dominar a histérica da Whitney Houston... E eles foram chegando um após outro e a gente aprendendo uma porção de músicas que muitas vezes já eram velhas conhecidas. Ah! Tadinha, como sofreu na morte do bom moço Kurt Cobain (fase Seattle) e como foi apaixonada pelo Jon Bon Jovi (fase New Jersey) e como nos deixou loucos com Michael Jackson (fase Los Angeles) que graças ao show assistido no Morumbi, descobriu Carmina Burana de Carl Off. Acho que se juntar tudo que tinha do Michael, daria uma boa grana. E assim foi passando pela Madona, grupos que eu juraria ter pertencido a outra década etc e tal. Esses músicas ajudaram a ter o excelente inglês que tem. Tem bom ouvido apesar de algumas vezes parecer surda (fase criativa ou ensimesmada). É muito inteligente e tem muito bom gosto pois escolheu como marido o Luis Carlos, nosso cunhado querido, que até teve uma certa participação na criação da Sophia que quer queiram ou não é o revival da Ly com um ano e meio. Há uma diferença: A Ly era mais, digamos, comportada. Hihihi! Amamos muito nossa pequenina que vê em nós , seus irmãos, segurança, carinho e dedicação, tenho certeza disso. E na nossa mamãe e no nosso pai viu e vê o verdadeiro amor dos pais que chegam a dar uma passadinha na 25 de março, a caminho da fazenda com tio Libaldo a bordo, só para comprar um casaquinho e deixar lá em Paraibuna durante uma festa num arraiá e acabaram carregando ela e casaquinho e tudo mais tocando para a fazenda... E depois São Paulo. Amamos essa guria. Ela sabe. Tem valores, princípios, iguais aos nossos e sabe reconhecer os fatos como se apresentam com uma coragem que poucos sabem, penso que até ela mesma não sabe disso. Além do mais poucos são capazes de fazer o que ela faz por nós. E uma coisa exemplar: é de uma fidelidade canina, acreditem. Amamos você e sua segurança em ser uma Almeida Oliveira legítima. O STF que diga se não, não é? Vai uma palinha para você se divertir um pouco.

O André faz questão que as fotos anexas sejam colocadas. Se não me falha a memória, nesse dia especial (fotos abaixo com papai e Hugo) estavamos num cerimonial de despedida dele do exército quando recebeu medalha de Honra ao Mérito e tudo. Bonita festa. Aí estão as fotos: Espero que fiquem legais pois são raras.

Lista com marcadores

13 comentários:

  1. Katya : Presente!

    Ah... Wania!!! Que coisa mais bonita esta sua descrição da Ly.

    Parece que estou vendo ela com aqueles olhos de jabuticaba, mais brilhante que duas estrelas, com sua pele de Branca de Neve ( que pele miserável de bonita), com suas bochechas rosadas... Com aquele cabelo de fazer inveja a qualquer indiana legitima. Que cabelo bonito!!!
    E isto já vai fazer 42 anos?????????? Gente!!!! Ela parece que tem 16 anos!!!
    Não estou falando bobagem nãaããããoooooo... eu a vi em maio/2009 e posso afirmar que a “mocinha” passa muito bem por menor de idade!
    Mãe de uma filhota linda (replica da mãe) e com cara de menina!
    Luiz Carlos, meu filho... o trato aí é dos melhores! A menina está conservada em azeite doce.
    Tirando a aparência, coisa que só até agora falei, uma das pessoas mais determinada que já tive o prazer de conhecer. Com uma personalidade marcante e muito querida também.
    Ly, você precisa vir mais na Bahia, preciso usufruir mais de sua querida companhia, sem essa correria de casamento e com bastante tempo.

    Um dos relatos mais lindo, que já pude ler de alguém, Wania Cristina.
    Menina, quando eu crescer quero ser que nem você! Perfeito.

    ResponderExcluir
  2. ah... fazendo a analogia do vídeo: Uma preciosidade, assim como a Ly é para nós. A música linda e perfeita como tudo que a Ly se propõe a fazer.

    Só faltou você, Wania, colocar o marcador de “irmã”

    ResponderExcluir
  3. Tatinha querida...42 tem a Flávia, o Guto, o HélioDom, o Paulo Marcos e quase o Wander....a Ly está com 34...já está velhinha, mas se comparar conosco ainda é uma bebe.

    ResponderExcluir
  4. Fê, você está vendo só como a Wania gosta de me deixar confusa??? Eu já chamei a atenção dela para isto!!!!! Lerda!

    Isto não se faz com alguém tão anciã como eu!!!
    Ela fica falando... falando...falando... falou tanto em 24 24 2 4 24 24.... que eu acabei associando lé com cré! Entendeu??
    heheheh

    mas não tiro nada do que eu disse... continuo a dizer que ela tem cara de 16 anos!
    "Um broto em flor!" ( gente esta eu tirei lá do fundo do baú, fala a verdade???)

    Aiquíííí Wania Cristina!!! Fica confundido a gente, lerda! Fica!!!!

    ResponderExcluir
  5. Guto, 42 anos?????????????????????????
    Gente eu cuidei do Guto quando nasceu!!!!! Ai... acho que vou ficar deprimida!
    Gente, preciso urgente de um analista... Laura Penchellllllllllllllllllllllll
    Gente, a Flavia enrolada como um charutinho, só a carinha de fora, redonda e vermelhaaaaaaaaaa, no colo...ah, no colo não, no berço e no escuro... Tia Wayne não deixava ninguém sussurrar para não acordar a Flavia!!! 42 anos????? Helio???? Paulo Marcos???????

    Ahhh socorrrooooooooo... Dr.Flávio Gikovate, Dr. Carl Jung, Dr.Danilo Borelli, Dra. Susan Mondoni!!!!! Todos, por favor, uma consulta urgente!!!!!

    Ops.. Dr. Jung já morreu!

    ResponderExcluir
  6. Ó para ficar mais segura, acho melhor marcar uma consulta com o chefe da equipe, sabia???

    Dr. Rubens Pitliuk, por favor, uma consulta para ontem!!!!!!

    ResponderExcluir
  7. Oi querida,
    obrigada pelo toque. adoro quando me alertam para coisas como essa. Foi de coração, você sabe não é, Katya?
    Essa menina é muito querida. Tenho a impressão que ela ficará eternamente com carinha de menina, você esta certa. Mas falando em numeros sabia que achei muito curioso o numero 42 aparecer em relação ao aparececimento do Eclipse? Ao contrario, dá exatos 24 (dias de fevereiro)
    Valeu sua prontidão e a da Fernanda também, já imaginou se ela ler 42 anos???????
    beijos para vcs meus amores de sempre.

    ResponderExcluir
  8. Presente!
    A escolha de viver em uma família é contrato que se firma no céu! O universo conspira!
    E você,Waninha,consegue, com suas palavras, mostrar muito bem o quanto é importante a presença de uma pessoa na nossa vida. É como ter o céu, sempre, com arco-íris. O quanto é mágico!
    Ainda, consegue descrever a Ly. Difícil não perceber a doçura que existe debaixo de tanta determinação; a agilidade mental aparente em seus pulinhos; a curiosidade que move os gênios e a paixão pela vida que forjou a grande mulher em que ela se transformou. Continue escrevendo Waninha! Posso afirmar que o amor que demonstra por todos que fazem parte da sua célula familiar infecta todas as outras células desse nosso imenso organismo chamado família Brandão Almeida!
    beijos

    ResponderExcluir
  9. Adorei essa primeira frase, Laura. A Ly costuma dizer algo parecido que é muito interessante também. Muito obrigada por suas palavras tão gentis. Dificil ouvir coisa assim e sinto-me "alentada", viu? esa eu sei que você pegará no ar! E, para terminar esse comentáriozinho, você tem razão ao perceber a grande mulher que se tornou nossa pequerrucha. Se transformou enfrentando coisas muitos dificeis que poucos dariam conta de saída. valeu!

    ResponderExcluir
  10. Umas duas ou três semanas atrás estava com a Ly na porta da casa da sogra dela quando um vizinho se aproximou para uma conversa. Ele olhou, olhou, olhou e disse rindo: "essa ai nem é sua irmã né Ly?" se referindo a mim...
    O mais legal é que não foi a 1ª vez. Muitas pessoas que me conhecem, quando olham uma foto da Ly, perguntam se ela é minha irmã!
    As vezes me pergunto se é coincidência... Seja mera coincidência, destino ou simplismente uma sensação de vidas passadas, eu falo com a boca cheia que ela é MINHA TIA! E digo mais: Tenho orgulho quando as pessoas me confundem ou dizem que sou parecida com ela. E acho que de uma certa forma somos tão parecidas porque estamos sempre juntas, conversamos sobre tudo e nos divertimos muito.
    A minha tia Ly é demais de especial... E não é só porque ela é da minha família, mas é porque ela é minha conselheira, minha amiga e uma companhia pra lá de animada e nada seria igual sem ela.
    É por isso que eu disse, digo e direi sempre: "Quando eu crescer, quero ser igual a ela!"
    TE AMO LY!

    Beijos pra vocês!

    ResponderExcluir
  11. Nossa como o tempo passou rápido mesmo, lembro quando a Wania e eu fomos para a habitual temporada na casa da tia Waleska e conhecemos toda embrulhadinha no bercinho e pronta pra dormir a querida Lydiane, até aquele dia eu só conhecia bebe dos outros, jamais imaginaria ter um em casa, tinha dezessete anos mais ou menos e o que mais queria ao chegar no Paraiso era encontrar com os amigos na praça e mais nada, já me achava adulto mas naquela ocasião uma coisa diferente apareceu e nos envolveu muito mesmo, tanto que era um sai e entra um vai e volta da rua para ver se a nene estava bem, se estava dormindo ou acordada enfim, não faziamos outra coisa, porém as ferias terminaram e voltamos para SP já com muitas saudades dela e sem imaginar mesmo que depois de tanto esforço a Wania conseguiria traze-la para casa e morar conosco. Foi uma alegria e novidade muito legal, juro que jamais senti ciume dela, afinal deixei de ser o caçulinha da mamãe, mas pelo contrario me orgulhei em ser um irmão mais velho dela, foi muito bom o que aconteceu em casa, realmente incrível, o papai chegando mais cedo e muito disposto perguntando por ela, brincando e com certeza esquecendo todos os problemas do dia a dia, a mamãe depois de tanto tempo passou a cuidar junto com minhas irmãs de um bebe como nunca eu tinha presenciado, até o Hugo gente, passou a viver uma alegria e um cuidado que só uma babá profissional poderia dispensar quando ele cuidava dela na pracinha, somente agora entendo o que representou a chegada da Lydiane em nossas vidas, foi como ganhar na loteria sozinho imagino, realmente tiramos a sorte grande, muito legal.
    Ela cresceu, embora ainda "minhonzinho", é uma mulher de dois metros de altura, forte inteligente decidida e muito querida, e para compensar esse tempo todo, hoje ela nos deu a sua copia "tar e quar" a Sophia maravilhosa além de um muito querido cunhado com CUN maiusculo.

    Beijão minha irmã, obrigado por nos escolher ainda bebe e depois de adulta também.

    Amamos você demais.

    ResponderExcluir
  12. Puxa vida, tai um retrato encantador e, principalmente, verdadeiro, da Lilica ! E o que acho lindo é que, embora eu só tenha conhecido a Ly na adolescência (dela), agora acho que a conheço desde pequenina, por causa da outra pequenininha que tanto nos encanta. Sou capaz de visualizar a Ly correndo pela casa, atazanando todo mundo e fazendo aquele charme irresistivel, tal e qual a Sophia...Pois é, como se dizia nos tempos d´antanho, quem sai aos seus não degenera, ainda bem, não é mesmo ?

    ResponderExcluir
  13. Oi benzão, concordamos com você finalmente. Viva o Mauricio!!! :)

    ResponderExcluir