Parentes queridos parentes

O que são parentes? Como surgem? São importantes? O que nos acrescentam? É sobre essas questões que me proponho a pensar e falar mais do que qualquer coisa. Não que outras coisas não sejam importantes.

8 de jun de 2009

Uma proposta. Dará certo?

Gostaria de fazer uma proposta para todos que estão com 29 anos para baixo: Ao invés de nos deixar sozinhos em nossa absoluta felicidade dialogando e refletindo sobre nossas recordações, que tal tentar nos conhecer um pouco? Será que não há nada que queiram saber de nós? Será que não tem curiosidade de saber se nossos sonhos foram alcançados? Será verdade que convivemos mesmo com essas figuras que comentamos ou apenas reproduzimos o que gostaríamos de ter vivido? Vocês, talvez saibam muito pouco sobre cada um de nós, já pensaram nisso? Não esqueçam que nós somos vocês ontem...
Esse blog nasceu de um desejo enorme de mostrar que educar é muito mais que orientar, repreender etc. e tal; é, na verdade, ter a oportunidade de conviver com o outro, de compartilhar, de se descobrir em alguém, de observar que algo dentro nós está ali bem pertinho... Digo isso por que quando tinha a idade de vocês (sim, isso já aconteceu comigo, ou seja, ter a idade de cada um de vocês) eu me pegava pensando muito sobre meus parentes. Pessoas estranhíssimas que me davam a impressão, muitas vezes, de nunca terem vivido um fora, decepção amorosa? nem pensar. Frustração? Imagine só. Ou se alguns já não teria nascido daquele jeito pois pareciam não ter história de vida? Muitas vezes acreditava piamente que eles não sabiam o que era um bom carnaval, uma balada, uma boa farra. Acreditava que vários não sabiam o que era cobrança, ou seja, "já estudou?", "vá fazer a lição", "já fez? Ah, então..." dava frio na espinha só de saber o que viria após o então....
Não sei quanto a vocês mas eu me senti muito cobrada e com muita intensidade e, confesso, que dessa parte não tenho saudade nenhuma. No entanto, enfrentar cobranças me ensinou muita coisa, sabia?
Inúmeras vezes olhava para alguns de nossos parentes e me perguntava: Será que ele (a) já amou alguém na vida ou é só chato (a)? Em outras ocasiões me perguntava será que esse parente sempre foi assim, legal, para cima? E por aí ia...
Podem chamar isso como quiser... Não é importante. Hoje, o que é importante é vocês poderem obter respostas.
Gostaria que se sentissem com a liberdade de perguntar qualquer coisa para nós. Eu me proponho a responder o que quer que seja. Se considerar alguma pergunta incomoda, não responderei, tá? Ah! E aí, vocês, espertamente, poderão concluir: Chii! Aí tem coisa. Que tal? Fui clara? Gostariam de mais algum esclarecimento com relação a proposta?
Sinto-me a vontade para dizer a vocês que todos nós estamos aqui para ajudá-los a entender essa família tão interessante que é a nossa. Se alguns dos mais velhos discordarem de mim é só dizer. Ah! Não gosto de ficar na expectativa se irão perguntar ou não, portanto, se ninguém se interessar esse post se autodestruirá em 7 dias .... tam, tam,tam tam tam (musiquinha do Missão Impossível)

24 comentários:

  1. TaTinha à postos!
    "os opostos se distraem, os dispostos se atraem,
    os sobrepostos se subtraem, os compostos se extraem,
    os expostos se contraem, os indispostos se retraem
    Aposto"
    Portanto, me coloco a disposição para qualquer coisa.
    Tata-disposta

    ResponderExcluir
  2. Ói eu aqui!
    Rindo com o comentário fantástico da TaTinha e dizendo à Waninha que achei a idéia deste post genial!
    Sua proposta é bastante profunda Waninha - como não podia deixar de ser né?!
    Beijos TaTinha, beijos Waninha, beijos a todos!

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Olá

    Também respondo o que quiserem saber

    ResponderExcluir
  5. O que coseis qué sabe nois vai respodê.

    beijos.

    ResponderExcluir
  6. Acho que estamos assustando os mais novos...O que realmente seria muito bom é fazermos mais um novo encontro para eles criarem um pouco mais de intimidade, aí sim começar a perguntar porque nos tornamos assim...
    Bjks

    ResponderExcluir
  7. To às ordens! Só tem que ter paciência porque sou um pouco lenta!

    ResponderExcluir
  8. Respondo qualquer coisa! desde que me lembre!!!rsss. Verdade...estou, como diz a Tatinha, disposta e à disposição.
    beijos

    ResponderExcluir
  9. O que me deixa mais chocada é que a Táta considera os mais novos os abaixo dos 29. Daqui a pouco receberei perguntas, pois serei considerada velha! Jesus! :/ Creme para as rugas já!

    ResponderExcluir
  10. Ah, Táta, olha só: "frila" agora é totalmente démodé. Old fashion. Brega. So five minutes ago! Agora o chique é "dou consultoria", ok?
    Beijos da sobrinha que deixa a tia sempre up to date.

    ResponderExcluir
  11. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  12. Ah! Tenho uma PERGUNTINHA EXISTENCIAL: quando tinham 27 anos vocês, velhinhos fofos, também trabalhavam 16 horas diárias? Outra pergunta: do alto da inteligência doceis, oceis acham que eu tenho jeito?!!! :P

    ResponderExcluir
  13. Bem...
    Eis que surge uma heroína dos tempos modernos!
    Alinezinha querida!!! Você é minha ídola!!! Em primeiro lugar, me ajudou a detonar, com um "bacamarte" a OiVeloz!!! Nunca ví uma jornalista com tamanha "networking". Se eu soubesse o que sei hoje, talvez eu fizesse uso da minha "oldnetworking" na hora necessária, lá antigamente. Obrigada querida.
    Em segundo lugar, no rastro da Wania, vou ficando também atualizada nos "jargões" da moda.
    Nada como ter uma sobrinha que não deixa a tia "pagar mico" (alinezinha, ainda se fala assim?)
    E por último, deixei o seu questionamento. Na sua idade, querida, euzinha, TaTinha, trabalhava muito mais que 16 horas por dia... tinha dias, vários dias no mês que era virote dia e noite, trocando máquinas, trocando softwares... fazendos up-dates constantes... Por 20 anos nunca pude ter uma passagem de ano sequer... pois na virada do mês, nunca chegava em casa antes da duas da manhã. E como no final do ano era MÊS/ANO, era certo amanhecer dia primeiro no trabalho.
    Agora quanto a você "levar jeito".... não responderei do "artu" da minha inteligência, mesmo porque sou burrrraaaa!!! Mas responderei do "artu" do amor que "tenhu procê". Querida, você tem tudo para ter o maior sucesso nesta vida. Aproveita querida. Vocês desta geração, possuem muito mais informação, orietação, muito, mas muito mais amor e bastante proteção.
    Isso faz de vocês pessoas altamente capazes, competentes para tudo!
    E você de quebra é bonita, né? Benhê!!!! Aí, é pura covardia!!!!!
    Amu ocê belezura!

    ResponderExcluir
  14. Sobre a primeira parte de seu comentario: Adoro ser atualizada. Valeu amada sobrinha e agora, isto é as 21h15min da noite do dia 10 comecei formalmente meu trabalho de consultoria.. Grrr! Hoje não há mais respeito pelo feriado alheio, já notou??????????
    Sobre o segundo comentario: Vocês são "brotos em flor" como diria sua bisavó Hilda e, para falar a verdade, Aline, tive que dar um limite etário para o questionamento simplesmente por dar. Me conhecendo a tanto tempo você sabe que conheço inúmeras pessoas (algumas mais velhas do que eu) que não chegaram aos 15 aninhos ainda... Toim!

    ResponderExcluir
  15. Estou muito orgulhosa com sua atitude de não nos deixar frustrados com ausencia de qualquer questionameto ou curiosidade, viu?
    Quanto a sua pergunta: (...) com 27 anos vocês, (...) fofos, também trabalhavam 16 horas diárias? Outra pergunta: do alto da inteligência doceis, oceis acham que eu tenho jeito?
    Num primeiro monento precisei fazer contas para saber quando foi isso. (Vc sabe que estou fazendo 56 pela segunda vez pois perdi os 55, não é? Um angu), depois de muito sofrimento descobri que isso foi em 1978.
    Localizado o tempo é hora da resposta: Acredito que não. Comecei a trabalhar em 1976, no quarto ano de faculdade quando a sua mãe resolveu que já era melhor de eu parar de levar a vida "vagal" e trabalhar. Me levou para uma escolinha que tinha uma porção de "Gremilins" e tive vontade de correr. Disse-me que eu seria auxiliar de uma pessoa que cuidadva da sala de aula dos menores Gremilins (12). A partir do momento que aceitei a ideia nao parei mais como você testemunhou.E assim trabalhei meio periodo diários.
    Em 1978 eu havia descoberto a Bahia e confesso que, se trabalhei periodo integral, era só para pagar a passagem para lá e ficar 1 mês na farra.
    Nos finais de semana saia o tempo todo; quando não ia para São Vicente, Paraiso, Itajai etc. e tal.Necessitava de dinheiro, certo? A possibilidade de trabalhar 16 horas era inimaginavel. Eventualmente inventava qualquer coisa para fazer para as crianças e rodava a noite costurando, colando sempre o que fosse o mais dificil. Mas isso enquadro no tópico prazeres da vida e não nas obrigaçoes horríveis da vida. Sabe o que eu queria nessa época, Aline? Conhecer gente, namorar, dançar e viajar. Era bom demais! Quando chegava na Bahia e via a Katya na sua linda sala virando a noite naquelas "tranqueiras barulhentas" (as impressoras da época) tinha vontade de sumir pensando que saco viver assim...
    Sem querer parecer pedante mas sabendo que serei vista assim, faz mais de um século que a humanidade concluiu que uma semana de 40 a 48 horas semanais estava de bom tamanho. Foi uma dura batalha convencer pessoas de todos os niveis que isso seria melhor e mais produtivo. Sim, e aí o que fazemos nós? Trabalamos 80 horas semanais?????????????? Sim. É isso que você trabalha. Para quê? O que ganhamos mais com isso? Dinheiro? Ora, mas quanto gastamos em remédios, terapeutas, dentistas etc.? E cremes para as rugas?
    Falo com muita segurança sobre isso pois sai daquela felicidade que tinha aos 27 para trabalhar durante anos mais de 100 horas semanais "facinho"... Preferia minha vida aos 27 e minhas crenças daquela época, sabia?
    Quanto a outra parte da pergunta... cuidado, lá vai titia falando o que pensa: Acho difícil que vc altere seu rumo. Para começar isso lhe dá mais prazer do que dor (sim, se assim não fosse já teria parado ou limitado). Você é "a-garota-sucesso" e é muito complicado se livrar desse peso, entende? Mas uma coisa tenho certeza: você tem competência para modificar o quadro, basta querer!
    Puxa! Sou um pedrada, nãe é? pode revidar.
    Beijos. Te amo!

    ResponderExcluir
  16. Aline, Concordo com a Wania em genero, número e "degrau". Eu sempre tive um horário bastante flexível e trabalhei por meio período quase a vida toda, mas por opção, pois como nasci pra ser mãe, o outro período era dedicado a isso. Além do mais temos alguns exemplos na familia de workholics (acho que é assim que se escreve, mas creio existir um termo mais up para isso) , que depois de mto trabalharem, levaram um baita susto tendo infarto ou fazendo pontes, então voces mais jovens tem que avaliar e ver o que vale a pena. Uma dica, seja feliz sempre, isso é o mais importante e se for trabalhando o dia todo, que seja. Mas o tempo passa rápido e a vida não pode ser só trabalho, afinal, qdo morremos, não levamos nada mesmo. Eu prefiro ser feliz e ter tempo para fazer o que gosto, sem obrigações de horário.
    Bjs e bom final de semana.

    ResponderExcluir
  17. Aline
    Quando eu tinha 27, 28 anos trabalhava em duas coisas diferentes...uma me dava prazer, o que faço até hoje, mas pouco dinheiro (o que continua sendo)a outra me dava dinheiro e aprendi a ter prazer ao executá-la. Posso dizer, hoje, que o pouco que se ganha fazendo aquilo que ama rende mais do que o muito que se pode ganhar fazendo aquilo que não gosta. Muitas vezes ainda trabalho mais do que as horas consideradas normais. Trabalho até nos finais de semana. Mas adoro o que faço. Então não cansa. Só nos deixa às vezes longe de quem amamos por mais tempo do que gostaríamos. Só posso dizer que fui eu quem fiz a escolha. Tive tempo, oportunidade e possibilidade para optar. Espero que faça a escolha correta e seja muito feliz.
    beijos

    ResponderExcluir
  18. Filha querida,

    Sim, eu trabalhava muitas horas por dia. Na sua idade eu ainda tinha o papai, a casa, Arthur e você.... Penso que o que está diferente agora é o excesso de informação. Mídias variadas interferindo no nosso ritmo de trabalho. E isso, a meu ver, dá uma sensação de exaustão, de “não vou aguentar” ! Tô vivendo isso, na carne e na cabeça, aos 53 anos.
    Para eu não enlouquecer procuro tirar no meu dia a dia algumas (poucas!!) horas de prazer absoluto: tomar um banho demorado, passar milhões de cremes pelo corpo, fazer um fuxiquinho, ler um livro divertido, passar olhos pelo jornal, assistir uma novela colorida, namorar, arrumar o armário e ofertar as roupas que eu não uso há mais de um ano, fazer um strogonof caprichado para uma filha querida , rezar e pedi proteção. Lazer não pode ser algo que a gente “viva” somente nas férias e nos fins de semana. São pequenos e diários momentos que te revigoram muito e, ai sim, você vive seu dia com mais leveza!!

    ResponderExcluir
  19. Que pena só a Aline ser a curiosa dessa safra, não é gente?
    Intrigante...
    Vou pedir licença para alguem que tinha uma dúvida para ver se posso colocar o questionamento em pauta. Se não der certo talvez possamos perguntar para eles ao invés deles para nós... Humm! Quantas coisas me surgem a cabeça na madrugada.
    Aline, vc ficou satisfeita com as resposta????????

    ResponderExcluir
  20. Pois é... Intrigante todos ficarem com cara de interrogação, com cara de exclamação, com cara de intejeição, com cara de reticências... e ninguém colocar a "cara" aqui!!!!!
    Aline, repito : "minha heroína dos tempos modernos" Ei-la! a única! Sou sua FÃ!

    Meninos cadê ocêis???

    ResponderExcluir
  21. Mulherada linda,

    A ausência é justificada. Não, eu não estava trabalhando! Rs! Estava justamente viajando para descansar a cabeça!

    Estou super satisfeita, sim, com as respostas. Mais que isso: admirada. Sim, admirada com todas vocês, mulheres incríveis e mega batalhadoras. Ainda bem que vocês fazem parte da minha família.

    Algumas questões pontuais (consolidado dos comentários acima):

    - Tatinha, sobre pagar mico: não, agora fala-se a mesma coisa, mas em inglês, para ficar mais chique. "Não pague mico!" agora é: Don't make a fool of yourself! Simples, chique, up to date! Rs! Rs! Rs! E não precisa agradecer de forma alguma. Fico super feliz que tenha dado certo!!!

    - Táta, seu tóin sobre "algumas pessoas, muitas vezes mais velhas que eu, permanecem com 15 anos" foi completamente adequado. Está apoiada, querida madrinha-adotada. E, sim, entendo o peso do "sucesso", mas não quero ter este peso todo, entende? Amei todo o seu comentário. E obrigada por confiar na minha capacidade de PODER mudar.

    - Laura, acho que você conseguiu transformar em palavras tudo aquilo que eu sinto, ou seja, "só nos deixa, às vezes, longe de quem amamos por mais tempo do que gostaríamos". É isso mesmo. A questão agora é saber dosar, né? E prestar atenção na qualidade deste tempo que passamos com meus amores. E aqui entra justamente o comentário da:

    - Fernanda, para sermos felizes, já que não levamos nada daqui, mesmo. 100% apoiada, Fernanda.

    - Mami, fofura, cabeção, não vou nem comentar o seu comentário. Você é demais! Admiro você muito! Ah, claro, e seu strogo é TU-DO nessa vida, também! Obrigada por tudo, pelo apoio de sempre e por também acreditar que eu tenho jeito. Amo você muitão.

    Beijos para todas!! Com amor, Aline

    ResponderExcluir
  22. Ah!! Mulherada linda e moderna, esqueci!

    Já que estamos falando de velhiiice, tempo, prioridades e tal, olha só que produto tem-que-ter!
    http://msn.lilianpacce.com.br/tag/tri-aktiline/

    Meu cliente vende com EXCLUSIVIDADE, ok? Sim, ele é chiquetetê.

    Sem tempo para fazer uma cirurgia plástica?! Tri-Aktiline nas rugas, nega! Preenchedor instantâneo de rugas!!

    A-DO-RO a modernidade!!!

    ResponderExcluir
  23. DEMOREI MAIS CHEGUEI1
    ESTES ÚLTIMOS DIAS ANDEI TRABALHANDO MUITO, E OLHA QUE JÁ NÃO TENHO MAIS 27 ANINHOS, E ALÉM DISSO MINHA INTERNET NÃO ESTAVA FUNCIONANDO MUITO BEM, ESTAS COISAS DE MODERNIDADE AS VEZES FICAM MEIO LENTAS, OU EU QUE JÁ ESTOU MEIO LENTA.
    SABE ALINE! HÁ UNS 2 ANOS ÁTRAS, RESOLVI Q/ IRIA FICAR EM CASA, SEM HORÁRIO P/ TRABALHAR, FAZENDO UNS MAKE UP DE VEZ ENQUANDO, E MAIS ALGUMAS COISINHAS PARA GANHAR UM DINHEIRO.
    ESSA FOI UMA ESCOLHA, PARA PODER TER O FIM DE SEMANA LIVRE, POIS TRABALHEI BEM UNS 15 ANOS DA MINHA VIDA NOS FINS DE SEMANA. CANSEI!
    MAS, DEPOIS DE UM CERTO TEMPO, A GENTE SENTE FALTA DO OFICÍO, SE A GENTE FICA MUITO EM CASA COMEÇA A FICAR FEIA E VELHA, E NO MOMENTO AINDA NÃO ESTOU QUERENDO FICAR VELHA, ASSIM, UMA AMIGA MINHA ESTAVA PRECISANDO DE AJUDA E CÁ ESTOU EU TRABALHANDO AOS FINS DE SEMANA. FAZENDO UMA COISA QUE SEI FAZER BEM, QUE É VENDER. ISSO GENÉTICAMENTE HERDADO DO LADO HOLANDES DA FAMÍLIA, NÃO SEI SE VOCE SABE, MAS HOLANDES É O MELHOR VENDEDOR DO MUNDO. PALAVRAS DITAS POR MINHA MÃE WAYNE.
    MAS COM ISSO TUDO QUERO LHE MOSTRAR QUE ISSO É UMA ESCOLHA, EU SEMPRE DIGO AOS MEUS FILHOS " TODA ESCOLHA GERA UMA PERDA, PORTANTO FAÇA UMA BOA ESCOLHA'

    ResponderExcluir