Parentes queridos parentes

O que são parentes? Como surgem? São importantes? O que nos acrescentam? É sobre essas questões que me proponho a pensar e falar mais do que qualquer coisa. Não que outras coisas não sejam importantes.

6 de jun de 2009

APELIDO

Interessante como uma coisa puxa outra. Falo isto com relação as "histórias de família". Um comentário, um simples comentário em nossa família, é motivo de longas teses. Sejam elas alegres, tristes e por vezes muito engraçadas. Somos intensos. Não temos como negar. Apesar de todos entraves da vida, somos muito alegres e rimos muito quando estamos juntos. Rimos de tudo, mesmo de um simples escorregão, ocorrido a 30 anos atrás. Basta tocar em uma palavra que vem um história engraçada para recordamos. E olha que ainda hoje "produzimos" muitas histórias para contar, nós desta geração, somos mestres em nos meter em histórias, na maioria das vezes engraçada. Uma delas foi recente, no casamento do meu "Deco" : A esquina da Prefeitura Municipal está lá para contar, né, Wania / Tata??? "Ô tempinho marca c....." "Marditas pedrinhas" do estacionamento!!! Portando, aproveito aqui e agora, meninos nossos, registrem aqui as histórias de vocês. ESTE É LUGAR. Muitos me chamam de prolixa. E sou mesmo! Sou danada para dar "vorteios"!!! O título do post surgiu através dos anteriores... ou seja : Memórias. Muitos tipos de memórias, por exemplo : linguística, visual, auditiva e umas das principais para mim, agora, é a emocional, dentre muitas, claro. Então lendo muitos de vocês, ocorreu que todos nós, sem exceção, temos, tivemos e vamos ter algum apelido ainda nesta vida. Não seria diferente na geração anterior. "Libardo" "Figanguinho" "Dona Warda" "VóDete". Meu povo amado, ando com minha memória um pouco avariada, por motivos alheios a minha vontade. Fui instruída pela minha médica a não forçar no momento que é preciso. Relaxar, tomar uma água, lembrar de "outras coisas" e o que era necessário, virá naturalmente, quando menos eu esperar. Mas sei que posso contar com a colaboração de todos. Então com os dois ticos e tecos de todos, faremos uma rede neural poderosíssima.

Colocando aqui alguma cultura aproveitável, informo aos navegantes que apelido vem do latim: appellitu, parte do nome de um indivíduo que indica seu vínculo familiar; sobrenome, nome de família; designação informal para identificar uma pessoa. Apelido também é conhecido por "alcunha" "apodo" "epíteto" e "cognome". Tem uma cidade em Minas que é chamada de "cidade dos apelidos", Chama-se Claudio. Dizem que lá todos possuem apelidos.

Eu na minha infância era chamada por muitos assim: "katita, kataryna... não me lembro se mais algum. Mas atualmente possuo também alguns que, dependendo da pessoa, usada de forma única, carinhosa e muito pessoal : TaTa, TaTinha, Katya Maria ( in memoriam ) Kataryna, Katy e por aí vai... Tata, foi colocado pelo meu amado "" / "DECO" (Weber) que é esposo (ai que chique) da querida afilhada "Rai" (Raiana), que também me chama assim. "Isa" / "Isinha", minha filhota linda, também me chama assim. Sou chamada de TaTinha por minha "Mia" / "Mimia" (Jamyle), que é namorada do "Ty" (Tiago). Sou chamada assim por muitos, mas a cada um, possui a sua intonação. Sei que cada pessoa tem sua forma de tratar o outro e procura sempre demonstrar o seu carinho, amorosamente chamando a gente de uma forma pessoal. Um tempo atrás, por acaso encontrei um amigo de infância e ele lembrou dos apelidos dos meus irmãos e um deles era "quejinho" (Kecius) , não me perguntem porque? Não sei. Agora me fugiu os dos outros dois.

Coloquei apenas um exemplo do que pretendo aqui. Sendo o lugar de registros de Memórias Familiar, nada mais justo que deixar aqui, para a futura geração, como eram chamados nossos queridos parentes. "Dona Hirda Brandão" "Seu Dito" "Benedito Armeida" ... o resto é com vocês! Sei que existe milhões deles aí dentro de tantas cabeças geniais. Uma delas que eu sei, é a do "Deco" , mas esse Deco é o André Luiz. Este sim está se revelando um aliado de grande valor, com suas colaborações. O "Libardim" da atualidade. Vamos lá. A bola está na mão de "docês". Quero o apelido de todos, viu Ly, a mãe da Shofy ?

7 comentários:

  1. Tata,
    O tio Libaldo deu apelido para todos os meninos, acredito que para as meninas, só para algumas. O apelido do Alfredo é Subosta, do Antonio é Mané Pratiano e do Hélio é Manezinho. Ele era meu padrinho de apresentação e, além do meu pai, era o único que me chamava de Laurinha.
    beijos

    ResponderExcluir
  2. Tata,
    Que texto mais gostoso de se ler!
    Eu adoro isso de apelidos. Cansei de escutar que tio Figango sempre dava milhões de apelidos para as pessoas. Por exemplo, chamava sua primeira mulher, Tia Quita, (eles são pai e mãe do tio Walter, o Wartão) de Marcolina, entre outros.
    Eu tenho também a mania de nomear as pessoas... acho que torna-as especiais, é um jeito carinhoso de dizer: "você existe pra mim", "você me é importante, "gosto de sentir-me mais próxima de você".
    Beijão procê, Tata!

    ResponderExcluir
  3. Em tempo:
    Sabe, Tata, as minhas filhas têm apelidos: a Ana Carolina é Carô, a Cristiana é Tita.
    Os nomezinhos dos meus netinhos são: para o Gabriel, Gebi, para a Isabela, Bebela (entre outros, porque cada hora chamo-os de algum nome carinhoso diferente, por exemplo, "Amor", "Anjo", "Coisinha Fofinha da Vovó", "Parangolé", "Periquinho(a)"...
    Meus amigos sempre me chamam de Elô. Tenho um amigo em Portugal que me chama de Mia. Um amigo nos Estados Unidos que me chama de Yellowina, o que acho divertido (pode ser que ele me ache meio medrosa... será?)
    Meus irmãos sempre me chamaram de Loína.
    Meu pai era Beli, ou para os seus irmãos, Zarinho. Meu tio era Tio Zezé, minha tia Alba, sua esposa, era Albinha. Meus primos de Vitória são: Toninho, Chico, Pulú, Margô e Bia. Os apelidos também deixam tanta saudade, não é?!
    Outro beijo, Prima!

    ResponderExcluir
  4. Eloina e Laura,
    Essa forma "aparente" de demonstrar carinho é muito gostosa. Quem ama, sempre trata a pessoa amada de forma pessoal, e uma delas é a de dar apelidos.
    Sei que em nossa família isto é muito comum...
    Tia "Filhinha" - Tia "Marocas", alguém aí lembra dos nomes verdadeiros das duas??
    Eloina, seus elogios só me incentivam a continuar a alimentar essa ideia maravilhosa que a "Waninha"(um apelido carinhoso)teve.
    Agradeço suas palavras gentis.
    Vamos caminhando juntas nessa construção linda deste memorial. Voce e Laura tem contribuido muito para isto também.
    Beijos meninas!

    ResponderExcluir
  5. O nome da tia Filhinha é Ormila. O nome da tia Marocas não me lembro bem, mas acho que tem Maria.
    beijos

    ResponderExcluir
  6. Apelidos distantes


    Filinha – Ormila Brandão (Moleza) – Amor em pessoa, veio somente para fazer o bem.

    Marocas – Maria Brandão (outra Moleza)- Viveu a vida em todos os sentidos e feliz.

    Nanoca – Ana Gomes Ribeiro Brandão

    Fonca – Antonio Henrique Furtado Filho

    Totinho – Antonio José Lopes Ribeiro Junior (Irmão da Tia Nanoca).


    Esses são antigos, do TEMPO DO ONÇA, Paraíso, sem ajuda poucos vão saber quem são, Jeene e Laura, não tem a quem recorrer, somente a própria memória, Eloina, tem Neida, Flavia, Tia Wayne, Tatá paulistana e André, Tia Waldete, Eliane Tio Zé (arquivo vivo), e os demais só no chute, BANDO DE CURURU.

    Bj, boa semana

    ResponderExcluir
  7. Sá Maria - meu apelido pronunciado inúmeras vezes pelo ( somente) tio Wolney.
    Perereca - minha filha Aline. Desde pequenina quando ela não parava de frazer estrelas...
    Thuthu: meu filho Arthur
    Tata: Wania Cristina - para os sobrinhos
    Tio Dedé - André Luiz - para os sobrinho
    Al - Meu marido Alvaro
    Juju - minha sobrilha e afilhada Julia
    Ra - meu sobrinho Ramon
    So - minha cunhada Soraya
    Tio Mau - Mauricio , companheiro da Wania
    Jane - minha cunhada Janete
    Vó Dete - Vovõ Waldete


    Nossa! todos tem apelido! Agora que me dei conta.

    ResponderExcluir