Parentes queridos parentes

O que são parentes? Como surgem? São importantes? O que nos acrescentam? É sobre essas questões que me proponho a pensar e falar mais do que qualquer coisa. Não que outras coisas não sejam importantes.

18 de abr de 2011

A importância de se sentar no chão.

Sem duvida alguma uma das atividades mais saborosas que existe é sentar no chão. Comecei a observar tal coisa quando a dificuldade se apresentou uns anos atrás.

Muitos anos atrás sentava muito no chão. Sentava para ouvir as prosas dos parentes mais velhos que invariavelmente sentavam-se em cadeiras e nos sofás da vida; sentava para contar estórias para meus alunos, sentava para brincar como criança e com crianças, sentava para cantar nas serestas e serenatas, sentava no chão para esperar pais ou tios que iriam nos buscar no final das festas, sentava para papear, ler, ouvir, etc.

Comecei a perceber que estava envelhecendo quando a dificuldade para sentar no chão e, especialmente, ao levantar passou a ser atrós.

Creio sem chance de errar que quem me trouxe essa consciência foi a minha afilhada-sobrinha Sophia. That`s incredable! Como um ser tão pequeno com tão pouca idade nos põe sentada, de quatro e se bobear tentando virar cambalhota?

Para alcançarmos as crianças é necessário um boa dose de senta-levanta, sobe-desce e muita argumentação para provar que "eu-não-vou-caber-aí", meu bem!

Nesse ultimo final de semana fomos fazer uma atividade diferente. Fomos a Livraria Cultura, um dos meus lugares preferidos em São Paulo. Nessa livraria há eventos interessantissimos para adultos e crianças. Fomos ouvir estórias contadas sobre sonhos, sobre milho, sobre lagartas.

Tinhamos de sentar num quadradão roxo e Sophia não só queria que sentassemos mas como também queria sentar em meu colo formado por pernas cruzadas. Até aí tudo bem, gostoso, alegre e bem animado. O problema foi quando tudo acabou e todos levantaram-se rapidamente para buscar novas atividades, inclusive a Sophia que já fora do quadrado me chamava: vem Dinda, vem... E eu disfarçando tantando levantar sem fazer feio nem perder a elegância carregando duas bolsas e uma tacinha com chocolate, apavorada diante da perspectiva dela correr pelos labirintos de um grande dinossauro da loja.

Quando olhei para atrás percebi que eu era a ultima a sair do quadradão e cabisbaixa fui em direção da minha Sophia que falou rapidamente senta aqui Dinda... O `aqui` era um pé redondo-abaulado-estreito-amarelo "tisgo" de uma mesa para brincar com Lego e que sem duvida alguma foi concebido para bumbuns de até 5 anos. 

Foi uma lição e tanto a que eu vivi. Tentar levantar daquele pé foi algo que transcende qualquer raciocinio lógico. Mas vou dizer uma coisa para vocês: Se precisar e a Sophia quiser vou sentar com ela onde essa coisa fofa desejar. É mais valioso que a maior parte das coisas da vividas. êta nóis!

Com tantos pedófilos soltos me sinto absolutamente a vontade para proteger minha queridinha. Daí o rosto desfocado.





3 comentários:

  1. rs rs rs como sei bem o que vc descreveu!!

    ResponderExcluir
  2. A verdade é para ser dita.....como é bom, mesmo com dificuldades para levantar, sentar no chão!
    Waninha, ela está linda...mesmo desfocada
    beijos

    ResponderExcluir
  3. Vim lhe fazer uma visita. Seu blog é maravilhoso, Parabéns! E também lhe convidar para conhecer meu blog.
    Que Deus lhe abençoe Sempre!
    Vera

    ResponderExcluir