Parentes queridos parentes

O que são parentes? Como surgem? São importantes? O que nos acrescentam? É sobre essas questões que me proponho a pensar e falar mais do que qualquer coisa. Não que outras coisas não sejam importantes.

9 de jul de 2010

Também nasceu no dia 4 de julho. Quem? Tia Wilka.

Dizer que ela sempre foi interessante é de uma redundância dolorosa, até por que, quem não é interessante nessa família.
Nossa tia era vaidosa, feminina, elegante, cativante, mas sabia ser brava quando necessário. Aliás, tanto ela quanto tia Wayne se transformavam em verdadeiros "urus" quando limpavam a casa e nós alienados-ousados teimávamos em passar bem no meio da limpeza.
Mulher de fibra. desde a decisão de casar-se na capela da fazenda (onde minha irmã e Katya sumiram conforme já relatei em post anterior) até o enfrentamamento de dores lancinantes que terminaram por levá-la. Droga!
Se eu pudesse transformá-la numa frase seria "querer é poder". Segundo ela mesma, conseguiu tudo que mais almejava desde marido, 2 filhos lindos, uma casa fantástica, duas cozinhas maravilhosas e sobrinhas pelas quais sentia orgulho.
No entanto creio eu que das coisas mais belas que conseguiu foi uma experiência de vida que poucos de nós poderá alcançar. Não com a verve que ela teve.
Adorava bater papo com ela e foi com muita emoção que a ouvi contar sobre seu inicio de casada. Morava em São Caetano e o tio trabalhava na GM. O dinheiro mal dava para o que havia de mais necessário. Estava sentada na entrada da casa quando viu um caminhão de laranjas e ficou salivando, naturalmente. n
Nesse dia, disse-me ela, o Ademar comprou a laranja e foi trabalhar a pé. Dá para ganhar presente mais valioso? Dá para comprar um gesto de amor? NÃO! Gestos assim sustentam relações por mais dificeis que possam ser.
Lembro-me dela comentando que no inicio de casados e até depois sempre comeram com as mãos dadas. Há vinculação maior? Há ensinamento mais tocante?
Quando sua vida foi melhorando tinha em mente exatamente o que queria. Qual não foi minha surpresa ao saber que aquela casa tão lindinha que eles tinham e que juntos pintaram, não era a GRANDE CASA. A casa que ela queria era uma das mais dificeis de Paraiso, não ser por ser uma das primeiras construções mas por ser uma casa que deveria passar por reforma + restauração para que ela se tornasse a grande dama que um dia havia sido. Quanta trabalheira, quanto custo? Nada comparado a felicidade sentida e curtida ao longo de sua vida. Era isso que eu sentia cada vez que ia até lá.
A casa sempre limpa (segundo o André Bier via minha mãe: " A Wilka engoma até os panos de chão"; a infinidade de controle remotos; os crochês - ela tinha uma sala de costura, a prataria bem limpa e guardada em sacos azul pervanche aveludado, as jóias que fazia questão de nos mostrar; os sequilhos em vidros transparentes da bancada central da cozinha Kitchens impecável; o quadro-escultura de cavalos entre tantas coisas são coisas carimbadas em minha cabeça.
Há algo, no entanto, que foi uma grande lição que dava a nós, suas sobrinhas: Quando falava-nos venham aqui até o quarto! Uau! Era um verdadeiro show de armários, caixas, baus que iam se abrindo enquanto ela falava: Quero mostrar uma coisa para você.
Não era uma coisa. Eram tantas que nem sei por onde começar. Era ver seu armário impecável, suas gavetas com roupas de seda que tirava e nos fazia pegar dizendo: isso é importante de se ter minha filha, esse aqui não. Veja essa blusa... vai com tudo. Colocava em nossa frente aquela peça tão suave e falava: fica para você essa. Era uma aula de feminilidade. (Caramba e isso não fiz com minhas sobrinhas, buá).
Aulas de feminilidade! Como foram boas e só agora caiu a ficha... Fiquei tristonha...
Um dia, numa dessas aulas olhou firmemente para mim e disse: Waninha, se você furar as orelhas eu lhe dou um brinco de brilhante. Sorri mas não tive coragem!

Para quem não sabe: Wilka foi um nome descoberto por tia Marocas ao achar um sabonete de nome MILKA. Legal!

6 comentários:

  1. Nossa tão querida Tia Wilka,
    Ela era tudo isso mesmo...sempre arrumada, com brincos e colares combinando. Minha mãe conta que quando ela se arrumava para ir ao baile, experimentava vários vestidos, e pra cada um havia um conjunto de langerie combinando.
    Ela sempre foi muito próxima de Deus e de uma sabedoria incrível.
    Acho que pelo jeito que minha mãe fala, sempre foram muito próximas e amigas. E ela conhecia minha mãe como ninguém...uma vez falou pra nós, filhas da Wayne: " Deus quando nos dá um filho, vem junto uma caixa com um quebra cabeças, que vamos montando conforme eles crescem, mas chega um dia que temos que dar a caixa ao filho. Claro que nada nos impede de arrumar uma peça aqui, outra acolá. Mas, tenho uma triste noticia, a sua mãe não vai dar a de vocês nunca. " Mas ela deu...não teve jeito...

    ResponderExcluir
  2. Verdade! Ela era tudo isso,mesmo!
    Uma coisa que não esqueço é que os móveis de quarto dela nunca foram trocados. Quando casou eram aqueles e mesmo depois de ter a casa toda decorada, permaneceu com eles. Dizia que eram símbolo do amor dos dois. Do casamento que procuravam, todos os dia, tornar perfeito.
    Bonito!

    ResponderExcluir
  3. Voces são minhas queridas e minha ressonância.
    Obrigada
    beijocas
    Wania

    ResponderExcluir
  4. E a gavetinha invisível na cômoda?? Que must!!!

    Tia Wilka foi minha 2ª mãe - isso na infância. Me ensinou muito e entre outras coisas como ser uma moleca. Mamãe tem 3 filhAs e 1 filhO. Ela sempre brigava comigo para eu ter compostuuura. Mas Tia Wilka me ensinava a tê-la e ser moleca ao mesmo tempo. Me ensinou a cozinhar - meu 1º prato foi chuchu refogado!, me ensinou a escorregar no barranco, a andar na chuva com galocha, a nadar e até depois que casei ela tinha seus ensinamentos.
    Fiquei brava com ela uma vez, pois tinha me dito que devíamos "obrigação" para o marido. Ah não tia! PQP pra ele!!! Eu sou eu e tenho os mesmos direitos que ele!

    Tinha orgulho de dizer: SOU SOBRINHA DA WILKA!, pois tinha a Natércia - irmã do tio Ademar - que sempre que me via perguntava quem eu era! No começo eu explicava que era filha de blablabla, mas depois da 3ª vez era: SOU SOBRINHA DA WILKA! Só.

    E é muuito!
    Obrigada Tia Wilka!

    ResponderExcluir
  5. Wania

    Hoje tive o prazer de novamente entrar no Blog e ler especialmente sobre a minha Mãe.

    Obrigado por me fazer sentir assim novamente, não sei explicar com palavras, só sei dizer que a sensação é ótima, estou feliz, realizado, confortado, como é bom, alias é uma delicia.
    Adoro fazer parte de uma família de pessoas maravilhosas, que sabem fazer outras pessoas felizes, que fazem isso com a maior boa vontade, com o maior desinteresse, fazem de coração, fazem gratuitamente.

    Obrigado por me fazer chorar junto com o meu pai enquanto me ouvia ler o que estava escrito no texto, choramos juntos por longos e longos minutos, coisa que não fazíamos há anos, foi ótimo.

    Depois que desligamos o telefone, senti com toda a certeza a presença de minha mãe aqui do meu lado, assim como senti este final de semana, quando fui visitar tia Walderez, assim como senti, quando passei alguns dias na praia com a tia Wayne.

    Obrigado mais uma vez, Wania, Fer, Laura, Flavia,

    Adorei me sentir bem,

    Um beijão, amo todas vcs

    Wander

    ResponderExcluir
  6. TIA WILKA UMA VEZ ME DISSE:" SE VOCÊ TEM UM PROBLEMA, ESCREVA EM UM PAPEL E PONHA DENTRO DE UMA CAIXA. EMBRULHE E LEVE ATÉ UMA IGREJA.
    CHEGANDO LÁ VOCÊ DIZ PARA JESUS; " ESSE PRESENTE É PARA O SENHOR". E DEIXE LÁ QUE ELE VAI RESOLVER PARA VOCÊ.

    ResponderExcluir