Parentes queridos parentes

O que são parentes? Como surgem? São importantes? O que nos acrescentam? É sobre essas questões que me proponho a pensar e falar mais do que qualquer coisa. Não que outras coisas não sejam importantes.

22 de dez de 2009

São Paulo/Capital: Não é para tese. Merece tratado!

Quando confessei minha antipatia pela criatura Papai Noel recebi uma serie de comentários pertinentes que aproveitei para sentir melhor minha familia. Uma coisa é clara: Há religiosidade nela assim como acontece com os mineiros e seus descendentes.
Esses ultimos dias vivi duas situações interessantíssimas: a primeira foi durante a leitura do Caderno Vitrine da Folha de São Paulo. O título da materia é JÁ DEU (ADEUS, ANO VELHO) Palavras, discursos, estilos, roupas e outras coisinhas mais que gostaríamos de aposentar em 2010, em função do seu uso excessivo em 2009. O (ou a) jornalista captou bem a overdose de coisas que vivemos em São Paulo. Alíais, como São Paulo é monumental tudo é exaustivamente monumental, inclusive as repetiçoes. É terrível a quantidade de vezes que se ouve, ve, diz e le palavras ou expressões como: CUSTOMIZAÇÃO, ECOBAG, CUPCAKE, ESPAÇO GOURMET, HARMONIZAÇÃO (ninguem , infelizmente harmoniza em silêncio) LOJA CONCEITO, VINTAGE, NUDE (o ex dado pela Folha é "quero aquela saia cor de pano de chão encardido" adorei.), PREMIUM, SARUEL entre outras. Dei muita com a pertinencia do artigo e com a coincidencia em relação ao que sinto. Particularmente acrescentaria FOCANDO que sempre me remete a uma foca em ação, além de umas duas ou três que me provocam alergia.
A segunda foi hoje. Fui ao supermercado e parei em frente a outro carro. Ao acabar de fazer a manobra olhei para frente e não acreditei no que vi.
O titulo do post me ocorreu na hora com que me deparei.
Para que não me considerem irrascível, impaciente, velha, fechada ao novo, aqui vai a foto com meus votos de Boas Festas a todos!


5 comentários:

  1. ” A alma é invisível,
    Um anjo é invisível,
    O vento é invisível,
    o pensamento é invisível, e,
    no entanto, com delicadeza,
    se pode enxergar a alma,
    se pode adivinhar o anjo,
    se pode sentir o vento,
    se pode mudar o mundo com alguns pensamentos.”

    Boas festas...

    Olavo.

    ResponderExcluir
  2. Wania,
    Se vc acha o pessoal de SP exagerando, é por que não viu nos Estados Unidos. Lá eles tem mania com renas. Depois te mando uma foto de um carro que fotografamos por lá.
    e viva a diversidade...ainda bem que temos nós, os Almeida pra contrabalançar.
    Feliz Natal a vocês todos.
    Beijos
    Fer

    ResponderExcluir
  3. Waninha,
    O Olavo disse tudo!
    beijos
    Boas Festas!
    PS. Dá um beijão cheio de saudade e de orações na madrinha.

    ResponderExcluir
  4. Vamos salvar o Natal

    A primeira coisa seria minimizar o Papai Noel da Coca-Cola. Esse velhinho obeso, gastador, que nos estimula a comprar, comprar e comprar e que está, desde o final de novembro, molhado de suor, em TODOS os shoppings centers. Desculpe, bom velhinho, mas você ficou over. Não tem mais nada a ver com os tempos que vivemos. Acabou a magia.

    O que vai salvar o Natal, é voltarmos ao principal sentido da festa no mundo ocidental: celebrarmos o nascimento do Cristo (na verdade o nascimento de todos os Mestres que vieram nos visitar ao longo de muitos milênios). Não o Jesus religioso, que morreu pelos pecadores e que faria você parar de ler este texto bem aqui. Não é desse Jesus que falo. Temos que resgatar o Jesus revolucionário. O ecologista. O maluco beleza que, há 2000 anos, abalou as estruturas da Roma perdulária e cheia de vícios, com suas idéias de vida simples. De amor ao próximo. De comunhão com a natureza.

    Temos que resgatar o barbudo que disse que somos todos uma só família. Todos habitantes do mesmo planeta Terra. Eu, você que está me lendo, o feirante, o doutor, o agricultor, o catador de papel. E que as diferenças impostas pela sociedade são cruéis e fonte da maioria dos nossos problemas.

    Temos que resgatar o homem que, ao ver que a comida não dava para todos, dividiu-a. E, ao invés de uns poucos comerem muito, todos comeram um pouco. O homem magro, de modos frugais, que se satisfazia com frutas, grãos, mel, peixe (talvez) e um vinhozinho de vez em quando, porque ninguém é de ferro. E não com leitões, cabritos, tenders, chesters, lombos, picanhas - geralmente, todos juntos na mesma ceia.

    Temos que reviver as idéias do sujeito que introduziu o conceito de vida simples no ocidente. E praticou-a todos os dias em que viveu. Aquele homem que vivia apenas com o necessário, pois acreditava que os únicos bens que devemos acumular, são os valores que levamos dentro de nós. Que expulsou os mercadores do templo, pois uma coisa são valores da alma. Outra são os do dinheiro. E feliz é quem consegue diferenciá-los.

    Renascer a alegria de um homem que vivia rodeado de amigos, que amava os animais, que viajava, que era carinhoso e benevolente com todos. Principalmente, com aqueles que erravam (isso me dá um alento, que nem te conto!).

    Neste Natal, tenho pensado muito nisso. Pensando no aniversariante que, quando estudado livre das amarras e preconceitos da religião, revela-se um grande visionário. Um líder transformador, que parecia antever a encrenca que 2000 anos depois nos enfiaríamos. Em tempos de simplicidade voluntária e consumo consciente, não vejo ninguém melhor para seguirmos.

    Que este ano, a gente consiga plantar a sementinha de um Natal verdadeiramente Cristão. Um Natal "menos" em tudo o que é material. E "mais" em alegria, risadas, comunhão com aqueles que amamos, divisão e confraternização. Um Natal com menos sobras. Nas lixeiras, na geladeira e nas parcelas do cartão de crédito. Essa é a minha sugestão. Um Feliz Natal para você e para todos nós!

    Querida Waninha,
    Sempre quando leio algo que você escreve, manifesta, reflete ou debate, vem-me à lembrança o Vandré que cantava música cujo título é "Para não dizer que não falei de flores".
    Junto com você, é desejo maior o meu falar de flores , mormente aqui, mormente agora.
    Com carinho, sempre,
    Eloina

    ResponderExcluir
  5. Brilhante, querida prima.
    Que texto! Mercece constar dos grandes jornais. Não é a toa que escreveu dois livros, certo? Que tal apressar o que está no prelo mental, heim?
    Obrigada por suas palavras, viu?
    Olavo, conforme disse anteriormente ao responder seu comentário: Você é muito inteligente e observador...
    Laura e Fer, parceirinhas constantes, fieis, delicadas o meu mais profundo respeito.
    Quero vocês felizes. Esse é meu desejo para voces e para alguns mais é claro!!
    Boas Festas
    Hoje é niver da Katya e a Telefônica deixou minha ruia sem Telefone. Não é um mimo?

    ResponderExcluir