Parentes queridos parentes

O que são parentes? Como surgem? São importantes? O que nos acrescentam? É sobre essas questões que me proponho a pensar e falar mais do que qualquer coisa. Não que outras coisas não sejam importantes.

24 de out de 2009

O retorno de Jedi

Olá pessoal, depois de um longo tempo, eis-me aqui. Não só para justificar a ausêcia da editora chefe, mas TAMBÉM para isto. Por motivos de força maior, foi feito um recesso necessário, mas aguardem que em breve ela voltará com sua sapiência, com sua perspicácia e suas tradicionais sacadas e lembranças fantásticas de nosso passado recente e do nosso presente querido.
Falando em perspicácia, lembrei-me que outro dia, pronunciei esta palavra e uma pessoa ao lado, me perguntou o que significava. Fiquei perplexa, juro. Não é uma crítica não gente, ou seria?? Sei que sou crítica, sarcástica e muito chata. Conheço meus defeitos, todinhos... e juro, sofro por tê-los, então não é necessário que fiquem me lembrando a toda hora deles. Mas voltando a palavra em questão. Essa pessoa que me perguntou, vocês não conhecem, mas vou situá-los : 40 anos, sexo feminino, letrada(?) e LOIRA!
Aí eu volto com um dos meus muitos defeitos : a crítica ! Mas estou expondo-me aqui ENTRE IGUAIS, por favor, então não me julguem, tá??? Achei estranho ela não conhecer uma palavra tão comum. Não pela brincadeira que se faz com loiras, mesmo porque eu SOU loira, isto é... hoje em dia de farmácia, está certo! Mas um dia JÁ fui, viu???? Tanto era que, mexendo na caixa de jóias da familia (risos de canto de boca) para pegar um brinco para Isadora ir à um aniversário, abri a caixinha onde minha mãe sempre guardou meus cachos loirissimos... Uns cachos loiros, sem vida, empoerados e mofados. Mofado e empoerado como está este nosso espaço, portanto vamos espanar isto aqui!!!
Me perdoem aí as loiras, mas precisamos de um pouco de humor nesta vida, não??? Os pré-conceitos são sempre desenecessários. Precisamos ter um conhecimento de causa profundo para emitir CONCEITOS.
Como vocês podem notar, apesar da ausência, não mudei nadinha. Continuo falando, falando, falando e nunca consigo ser sucinta e ir direto ao assunto.
Bem, deixa eu tentar.
Engraçado como as coisas acontecem em nossas vidas. Muitas delas são escolhas, outras, acredito que sejam determinadas, pois não achamos explicação concreta nem cientifica.
Sem quê nem para que, me deu uma vontade imensa de fazer contato com uma pessoa que amo. Aquelas vontades e ações que a gente procura pela explicação e não encontra naquele exato momento, mas logo em seguida elas sugem diante de nossos olhos, como uma água pura e corrente de uma nascente.
Vou colocar aqui para vocês a resposta que esta pessoa LINDA me mandou por e-mail. Sim, pois esta pessoa está a muitos kilomentros de mim, infelizmente. Pessoas assim iluminadas deveriam morar bem pertinho, pertinho... mas às vezes essas, mesmo longe, habitam em nosso coração e assim, sentimos elas fazendo parte de noso cotidiano e nos dando a alegria necessária que nós tanto buscamos.
A mensagem serve para eu postar aqui. É uma lição para nós humanos, tão desumanos. Tão preconceituosos. Calou fundo, e deu uma cutucada em alguns dos meus muitos defeitos, um deles o isolamento quando mais preciso de companhia, e aí sou julgada por ser "metida". Preciso rever meus conceitos, e nunca julgar ninguém. Com esta mensagem ele me pegou na mão, conseguiu me acarinhar e ficou me dando o colo que eu tanto necessitava naquela hora. Obrigado meu querido primo. Obrigado meu amado. Você sempre me dando lições de sabedoria infinda. Como eu sou feliz por ter você em minha vida. Família!!! Parentesqueridosparentes!!
Eis aí o que ele me mandou via e-mail, mas eu senti que foi mandada pessoalmente e acompanhada por um beijo :


                                                    

                                     













A fábula do Porco-espinho

Durante a era glacial, muitos animais morriam por causa do frio. Os porcos-espinhos, percebendo a situação, resolveram se juntar em grupos, assim se agasalhavam e se protegiam mutuamente, mas os espinhos de cada um feriam os companheiros mais próximos, justamente os que ofereciam mais calor. Por isso decidiram se afastar uns dos outros e voltaram a morrer congelados, então precisavam fazer uma escolha: Ou desapareceriam da Terra ou aceitavam os espinhos dos companheiros. Com sabedoria, decidiram voltar a ficar juntos. Aprenderam assim a conviver com as pequenas feridas que a relação com uma pessoa muito próxima podia causar, já que o mais importante era o calor do outro. E assim sobreviveram. Moral da História:  O melhor do relacionamento não é aquele que une pessoas perfeitas, mas aquele onde cada um aprende a conviver com os defeitos do outro, e admirar suas qualidades.

4 comentários:

  1. Que bom!
    Estivemos fora do ar por motivos técnicos mas voltamos com uma sensacional colocação sobre a necessidade do "outro" que todo ser vivo tem.
    beijos saudosos

    ResponderExcluir
  2. Tatinha,
    Ótimo o seu texto, comme d'habitude!
    Bom escutá-la novamente, e bom saber que Waninha dentro em breve virá a todo vapor!
    Bom "ver" você de novo, Laura!
    Beijão a todos,
    Eloina

    ResponderExcluir
  3. Kátia,
    Gostei do seu post, e me fez pensar um monte de coisas que vou tentar colocá-las sem me estender muito.
    Em primeiro lugar, qdo reconhecemos nossos defeitos temos dois caminhos, primeiro tentar conserta-los e se não for possível, aprender a conviver com eles. De qquer forma, o simples fato de reconhece-los e aceitá-los, faz com que aprendamos uma segunda coisa: todos tem defeitos e qualidades, o que é melhor. Se podemos conviver com os nossos defeitos, podemos perfeitamente conviver com os defeitos alheios, esses sim, não temos o poder de mudá-los, apenas aceitá-los ou não.
    Outra coisa que pensei, foi que a minha verdade nem sempre é a verdade do outro, o que nos leva a pensar como é dificil a convivencia entre as pessoas, mas tbém como é essencial. Ninguem consegue ser sozinho. O que mais encanta, estimula e enriquece os relacionamentos são as diferenças. Imagine vc, se fossemos e pensassemos todos da mesma forma, o mundo seria uma chatice.
    Nenhum de nós tem o poder de julgar ninguem, isso cabe a DEUS. Então, vamos aceitar as nossas limitações e imperfeições, ver sempre o lado bom das pessoas e o nosso tbem. Afinal, não temos só defeitos e acho que devemos elevar nossa autoestima e ver mais as nossas qualidades. Faz bem a saúde e à pele.
    Tinhamos um amigo que dizia "antes mau acompanhado do que só". Eu tbem sou dessa opinião, acho essencial a convivencia.
    EStou com saudades de voce! Aliás estou com saudades de todos.
    Bjs

    ResponderExcluir
  4. Minha Querida Dini

    Vc deu um assopro na brasa do fogão à lenha que estava meio adormecido, por aqui fez um braseiro danado, Laura e Eloina até tomaram um banho na água quentinha que passa pela serpentina e sai naquele chuveiro apesar de ser pequeno, mas a água é uma delicia.
    A Fernanda fez até um daqueles bolos, MARAVILHOSOS, que mesmo que ela de a receita, com todo o AMOR do mundo, não fica igual.
    Se me permitirem eu faço o café, depois de tomar um banhão, é claro.

    Bjão a tds, também estou com menos saudades do que antes de ler a postagem, mas ainda tem muita, um montão pra cada um.

    ResponderExcluir