Parentes queridos parentes

O que são parentes? Como surgem? São importantes? O que nos acrescentam? É sobre essas questões que me proponho a pensar e falar mais do que qualquer coisa. Não que outras coisas não sejam importantes.

27 de jul de 2009

A minha arte de presentear 2

Fiquei fascinada com a quantidade de comentários e entusiasmo de vocês no post 1. Fizeram com que eu passeasse mais ainda pelo mundo da saudade. Essa semana li qualquer coisa sobre a tend~encia da saudade acabar visto que famílias estão se desmanchando... Que horrorrr, como diz Maria Eloina.
Ao pensar sobre a arte de presentear percebo que há muito a ser dito. Vocês, queridos primas e primos, me compartilharam suas vivências, suas lembranças, e mais do que tudo, o gosto em presentear. Êta nóis, né?
Fiquei pensando e conclui que muitas pessoas na ânsia de presentear são capazes muitas vezes de cometer deslizes graves, sérios com os presenteados. Dos mais velhos aos menores há uma gama interminável de presentes a serem dados assim como NÃO dados.
Exemplos de coisas: Para pessoas com mais de 63 anos, esqueça pijamas e camisolas. Essas pessoas precisam sair e não ficar em casa. Pense em ingressos para shows ou teatro adulto, mas estude antes para ter certeza do que se trata. Esse pessoal sabe perfeitamente do que são coisas boas, do que gostam e do que é dado com apreço. A maioria deles resiste em dizer o que quer é, portanto, necessário observar. Há a possibilidade de dar camisa branca linda (pelo amor de Deus, evite a flanela); um sapatênis elegante; um livro raro (by sebo) quem sabe com encadernação nova, com o nome do presenteado na lombada em letras douradas; um bom jogo de mesa; quebra-cabeças feito em madeira ou ferro, além dos tradicionais (de 800 peças em diante); perfume de bom gosto, um blazer elegante; um twin set de cor discreta mas alegre (dá para agradar com as tais cores bebê); um bom relógio para o dia a dia — nesse caso, sempre observar diâmetro e tamanho dos algarismos —, uma jóia discreta; e nem pense em se arriscar e perder tempo com gravatas, cuecas, meias e lenços, calcinhas, soutiens, meias, anáguas, combinações (será que ainda existe?), pois são sem graça, insípidas e constrangedoras quando se abre. Se for absolutamente necessário, não embrulhe para presente, leve numa sacola e entregue no banheiro falando baixinho. Por favor, nem pensar nos tais chinelos modelo “não-saia-da-poltrona” para almoçar.
Entre 40 aos 62 anos presentes para decoração é boa idéia, no entanto, cuidado: eis uma faixa etária que acredita saber firmemente o que não quer. É pessoal sensível de se presentear; não podemos cair na tentação de dar algo que os faça pensar ou lembrar da idade, flacidez, pelancas, falta de vontade, falta de dinheiro, depressão, barriga, pés, trabalho, estresse, falta de fôlego, de elasticidade entre outras coisas. Em hipótese alguma pense em dar o maiô fantástico que apareceu SPFW/2009, mesmo que a pessoa seja um deus ou deusa e, obviamente, não caia na tentação de dar um vale-qualquer-coisa, afinal isso é passar atestado de falta de criatividade e tato (Acredito que a faixa etária que gosta desse tipo de coisa deve ser a dos 12 anos aos 18 anos que acredita firmemente que não sabemos nada sobre a arte de presentear). Não caia na besteira de comprar coisas para a casa ou trabalho, exemplo: batedeira, panela... Daí acreditar que o melhor terreno para se procurar algo seja o da decoração, arte ou jóias. Claro, se tiver uma convivência muito grande poderá arriscar-se. Canetas e lapiseiras excelentes são benvindas, pashimina são agrado feminino, estatuetas (seja sacra ou não). Recentemente estive em uma loja de produtos africanos e encontrei peças belíssimas com preços assustadoramente baratos. Em termos eletrônicos o notebooks ou smartphone pode até ser, apesar do ar escritório-trabalho vazar, mas... Bom, adiante tapetes, sim tapetes, poucos lembram-se disso e sempre faz sucesso. Seja para o lado da cama, entrada da casa, podendo ser kilin, persa ou indiano e pasme! um bom tapete artesanal, inclusive. Observar tom.
Recentemente vi um tapete de um metro de diâmetro por R$ 108,88. É brincadeira? Num site interessante você poderá se deparar com um tapete belga lindinho de 0,50 X 0,80 por apenas.... R$ 42,00. Que tal? Bons jogos de facas de churrasco, saca rolhas bonitos penso que muitas vezes nos acomodamos e caímos nos presentes-base, ou seja, camiseta, CD ou livro best seller o que dará um trabalho para o presenteado que lembrará de você com um certo mau humor.
Dos 28 aos 39 anos — Alerta! Penso que esse grupo está cansado de ganhar básicos. Esqueça CDs, DVDs e afins pois seja o que for nesses aspectos esse pessoal já terá ou consegue facilmente. Essa faixa etária que já sabe discernir o bom do mau produto. Evite presentes de qualidade duvidosa e sem atestado de origem. Não dê artesanato sem selo de qualidade atestando o algodão orgânico, a palha X ou certificado de reciclagem alem de todos os selos que garantam a procedência. Esse pessoal, em sua maioria é politicamente correto e mais do que isso ecologicamente corretíssimo. Evite couro, madeira ou aquilo que parece ser mas não é. Na verdade penso que apreciam muito mais um jantar de primeiríssima qualidade do que coisinhas que “atrapalham”
Dos 19 aos 27 anos. — Tranquilo. Achará um absurdo ganhar algo caro pois não saberá o que fazer com aquilo e pensará ser desperdício. Evite shoppings e parta com segurança para a 25 de março. Gostam de novidades e, em hipótese alguma, dê presentes antigos pois acreditará que é velho. Não podemos esquecer que esse grupo tem uma certa “aflição” a coisas que possam lembrar TFP (tradição, família e propriedade). São os de vanguarda. Gostam de novidade mas não trocam a quantidade pela qualidade. Acredite neles: pensam que é desnecessário ganhar algo que logo saíra de moda.
Dos 12 aos 18 anos tem horror a ganhar “roupa surpresa”. Calçados? Desista. Camisetas até pode considerar mas deve ser da marca que a tribo dele usa. Descobrir a tribo não é fácil. Como disse acima, vá de “vale isso ou aquilo” , pois acharão o máximo sair e trocar o bendito vale. Ah! Apreciam dinheiro em espécie. Nunca ultrapasse os 2 dígitos. Podem ficar confusos e esquecer o que é que gostariam de comprar.
Dos 9 aos 11 anos. Pessoal de opinião radical. Cuidado pois poderão deixá-lo sem graça, especialmente nos dias atuais, pensa não haver problema algum revelar descaso ou desgosto com o presente. Evite brinquedos. Parta para jogos. Mas não se desgaste em procurar coisas eletrônicas pois os pais já terão dado. Dica: bolas são sempre bem vindas, mas nunca a de boliche.
Dos 4 aos 8 anos — Não há opção: Brinquedos é o certo. Roupas? Só quem ficará feliz são os pais
De 0 até 3 anos — Nunca, em tempo algum, dê dinheiro para essa faixa etária pois além de não saber o que fazer com aquilo colocarão em lugares que poderão ser bem complicados para recuperar, um exemplo disso é dentro do estômago. Esses seres humanos não dão a mínima importância para dinheiro. Um recipiente de achocolatados sem os rótulos serão algo divino. São pessoas extremamente curiosas e acham TUDO bom e interessante durante um tempo e depois se desfazem da coisa sem problemas. Não são muito ligados em coisas que fazem tudo sozinhas, ou seja, o tempo de concentração para brincar com um carrinho de bombeiros que inclusive cospe agua dura entre 5 e 6 minutos.
Sugestão de lojas onde encontrar coisas legais: arte, artesanato, bijuterias, brinquedos pedagógicos, caça e pesca, cama, banho (esqueça a mesa), discos, livros, de cestas de ...(procure ser criativo e saia do café da manhã) cristais, enfeites diversos para pacotes, floriculturas, fotografias, joalherias, mapas e globos para duplas intenções, medalhas e troféus, óticas, perfumarias, prataria, produtos esotéricos, porta isso ou aquilo, relojoarias, “sshops” (conte com a possibilidade de não agradar), tabacarias, vinhos e patês, vitrais...

9 comentários:

  1. Wania é a mais pura verdade.

    Às vezes cobramos os outros, ou até mesmo o nosso presente, pois para mim este blog é um presente, e acabamos deixando de retribuir, mesmo que seja com um simples mais sincero “muito obrigado por tudo”.

    Acabei de ler o ultimo post, (antes de receber seu e mail) e juro estava morrendo de vontade de escrever, mais a preguiça era maior, (ando meio de poucas escritas nos últimos dias) acho que são as férias, das crianças eu acho (brincadeira).

    Carro velho e dono meio teimoso que só leva no mecânico quando para de vez, em quanto isso da-lhe tranco nas descidinhas, só se para em rua com aclive ou declive.

    Acho que to indo meio por osmose, os e mails chegam eu leio, os que me fazem rir, repasso, os que me deixam p. repasso, os outros guardo.

    Na realidade a SALIENCIA, foi sem querer, desculpe se foi muita, mas garanto não foi das piores, já fiz algumas que até eu fiquei vermelho, sei que não é o caso.

    Mas vamos lá o papo é PRESENTE.

    O presente que eu mais gosto, é a presença das pessoas que eu amo, por isso podemos marcar alguma coisa em breve.

    Tenho uma sugestão, conto depois.

    Um beijo com gosto de PRESENTE,

    Valeu o TRANCO no carro velho, to novinho em folha (Tia Filinha)

    Wander

    ResponderExcluir
  2. É Wander, tem épocas que estamos assim, não? Meio sem palavras nos dedos, na boca e muito menos na cabeça!!
    Mas falando em presentes, o mais precioso dos presentes para mim é um "olhar", um "beijo", um "carinho", um gesto de amizade!
    Coisas materiais ficam aqui na terra, TODOS ELES!
    Tapetes... bolsas...etc..etc...
    Desculpe estar assim cética e ríspida... mas tem dias que é assim ou assado!

    ResponderExcluir
  3. Wania,
    Ainda sobre a arte de presentear e fazer belos pacotes, acho que o mais gostoso de tudo é a pessoa saber que foi lembrada. Tenho um amigo que só compra presentes que ele gosta, não que ele acredita que vc goste, e ele dá e se por acaso vc não gostar não se acanhe, devolva-o, pois ele adorou o presente.
    Eu amo ganhar camisola, pijama nem tanto e tbem gosto de cremes, sabonetes e coisinhas pra banho. Coisas pra casa e flores tbem, mas como diz o Wander, nada como um abraço sincero e a presença daqueles que gostamos.
    Amigo sincero nas horas de aperto é sempre um bom presente. E usando a Eloina como exemplo, o amigo tem que ser de facil convivio que se doe e não cobre nada em troca.
    Bjs

    ResponderExcluir
  4. Querido e assíduo Wander, acredito em você. A saliencia que mencionei foi apenas um leve puxar de orelhas de alguém que não é nem um pouco pudica; era apenas para ser lembrada. Eu adorei seu comentário sobre a demora em postar pois demonstrou-me sua presença ativa no blog que tento manter dessa familia monumental em que poucos se manisfestam, mas quando o fazem é para valer. Há coisas que não tem preço e afirmo categoricamente que sinto saudade de fazer um carro pegar no tranco, de pensar em como desatolá-lo ou em como fazê-lo parar. Nunca pensei que sentiria falta desse tipo de problema tão sacana, sabia?

    ResponderExcluir
  5. Katya,
    Para variar eu quis exatamente isso: Variar. Postei um showdo Emilio Santiago para você, no entanto não tenho a menor idéia para onde foi.
    ATENÇÃO TODOS: PROCURA-SE UM VIDEO DO EMILIO SANTIAGO PERDIDO NESSE BLOG. qUEM DER UMA PISTA SERÁ BEM RECOMPENSADO COM UMA LEMBRANÇA LAPIDAR.

    ResponderExcluir
  6. Fernandinha,
    Também gosto de muitas coisas que na maioria das vezes sequer são lembradas. Coisas simples, tipo lembrança mesmo. E minha idéia era essa mesmo: ajudar os carentes de sugestões e, mais do que tudo, a fazer-se presente com presentes sejam pequeninos, simbólicos, monumentais e por ai vai... Pensei muito nos idosos, pois caminho para lá a passos largos e orgulhosos... Que coisa mais rica uma criança trazer para gente um flor com o maior cuidado, colhida no caminho, não é? Você me fez lembrar de uma colega que tirei no amigo secreto em 2008; não tinha a menor idéia do que e como presentea-la. Gosto muito dessa moça, a Valéria Rangel. Foi só deixar escapar na sala de aula: Oh, Deus! O que darei para a Valéria? que um aluno falou: " Não sei. Só sei que ela gosta de sabonete". Pensei com meus botões: Por que não? Sai comprei um sabonete de cada tipo, cor, tamanho, fosse transparente ou não que encontrava no supermercado aliás, não sabia que gavia tanta variedade, coloquei tudo numa das cestas de café da manhã que tinha em casa e ainda embrulhei numa monumental folha de papel celofane com laço e tudo. Foi o presente "The best" do dia e o que mais gostei foi perceber que a cada momento era ela quem via em minha frente. É como você disse parafraseando a caldeu Eloina, amigo tem de ser de fácil convivio... e de permanente lembrança, certo?
    beijim
    Wania

    ResponderExcluir
  7. Bem eu faço aniversario no próximo dia 26 rs..e pode me dar qq coisa que citou na sua lista rs..

    Eu estou salvando em meu pc sua lista..sempre me perco na hora de comprar algo..
    Boa semana
    Beijos

    ResponderExcluir
  8. Wania,
    Tbem já fiz isso com uma amiga, só que dei meias. Ela mesma falou que tinha mania com meias...fiz uma caixa com meias de todos os tipos e modelos...diz ela que até hj não se lembra de ter ganho um presente que tenha gostado tanto.
    Bjs

    ResponderExcluir
  9. Wania,
    Este Olavo não é um meigo?? Um doce de menino...
    Se você soubesse o "tamanho" deste menino. Ele é do tamanhos dos homens da nossa família... pertinho de dois metros. Mas mesmo grande, é um doce de pessoa.
    Olavo, esta "chaleração" toda é porque você vai ganhar somente um abraço apertado meu, viu?? (vide meu comentario acima) heheheh
    Elogiei bastante para não ficar somente no abraço "seco" heheh.
    Desde de já, Sr. Leonino (isto porque entendo muito de geografia, ops.. horoscopo ) Meus amplexos, meus ósculos, meus abraços... antecipados.

    ResponderExcluir